Página InicialTextos EspíritasOs nobres objetivos do Espiritismo

340 visualizações

Os nobres objetivos do Espiritismo

agosto 5, 2015

francisco_rebouçasO Espiritismo em conformidade com a própria vida tem sem dúvida uma nobre finalidade, tornar o homem cada vez mais um Ser moralizado e em harmonia com as Soberanas Leis do Universo, essa a proposta principal do Espiritismo, melhorar os homens, no que concerne ao seu progresso moral e intelectual.

A Doutrina Espírita nos esclarece que, “O verdadeiro espírita não é o que crê nas comunicações, mas o que procura aproveitar os ensinamentos dos Espíritos. De nada adianta crer, se sua crença não o faz dar sequer um passo na senda do progresso, e não o torna melhor para o próximo”.

No Livro: O Que é o Espiritismo, Kardec nos afirma: “O Espiritismo, como doutrina moral, só impõe uma coisa: a necessidade de fazer o bem e evitar o mal. É uma ciência de observação que, repito, tem consequências morais, que são a confirmação e a prova dos grandes princípios da religião; quanto às questões secundárias, ele as abandona à consciência de cada um”. ¹

Em seus postulados fundamentais, a doutrina espírita nos faz ver que á fé não pode prescindir da razão, pois, acreditar em algo que não tenha uma base sólida, fundamentada no bom senso, no estudo e observação dos fatos, faz-nos resvalar pelas armadilhas das crendices e das fantasias irreais, apregoadas pela fé cega que nos impõe o fanatismo e a insensatez.

O Espiritismo tendo por base as Leis Naturais, só pode admitir aquilo que esteja em perfeita harmonia com a lógica e a razão, e graças a isso, vê ratificados pelas  descobertas científicas da atualidade, os preceitos contidos em sua doutrina onde o bom senso e a coerência do conteúdo das obras reveladas pelos Espíritos Superiores, enfatizam o pensamento do codificador do espiritismo quando afirma: “Fé inabalável só o é, a que pode encarar frente a frente a razão em todas as épocas da humanidade”. ²

O Espiritismo tem um aspecto científico porque estuda, à luz da razão e usando critérios científicos, com metodologia específica, os fenômenos mediúnicos, ou melhor, os fatos que colocam os homens em contato com os espíritos, ocorrências estas que nada têm de sobrenatural, porque estão dentro do contexto dos fatos naturais, nada apresentando de milagroso nem de superstições do povo crédulo e ignorante dos tempos passados.

Em A Gênese, Cap. I – item 14, Allan Kardec destaca:

“Como meio de elaboração, o Espiritismo procede exatamente da mesma maneira que as ciências positivas, isto é, aplica o método experimental. Fatos de ordem nova se apresentam que não podem ser explicados pelas leis, conhecidas; ele os observa, compara, analisa e, partindo dos efeitos às causas, chega à lei que os rege, depois deduz as conseqüências e busca as aplicações úteis. O Espiritismo não estabeleceu nenhuma teoria preconcebida; assim, não se apresentam como hipótese nem a existência e a intervenção dos Espíritos, nem o perispírito, nem a reencarnação, nem qualquer dos princípios da doutrina; conclui-se pela existência dos Espíritos porque essa existência resultou como evidência da observação dos fatos; e assim os demais princípios. Não foram dos fatos que vieram posteriormente confirmar a teoria, mas foi a teoria que veio subsequentemente explicar e resumir os fatos. Rigorosamente exato, portanto, dizer que o Espiritismo é uma ciência da observação e não o produto da imaginação. As ciências não fizeram progressos sérios senão depois que os seus estudos se basearam no método experimental; mas, acreditava-se que esse método não poderia ser aplicado senão à matéria ao passo que o é igualmente às coisas metafísicas”. ³

Os tempos de fé cega estão ultrapassados, e a Doutrina Espírita jamais será superada pelas descobertas da ciência contemporânea, pois, se alguma teoria nova surgir devidamente comprovada pelas pesquisas científicas e estiverem em desacordo com algum ponto da Filosofia Espírita, esta será modificada nesse ponto o que até hoje jamais ocorreu.

Francisco Rebouças

   

Bibliografia:
1) O Que é o Espiritismo – FEB. – Allan Kardec.
2) O Evangelho Segundo o Espiritismo – FEB 112ª edição. Cap.XIX, itens 7.
3) A Gênese, Cap. I – item 14.

Nota do editor:
Imagem em destaque disponível em <http://www.noticiaespirita.com.br/2015/07/estudo-analisa-pluralidade-do.html>. Acesso em: 05AGO2015.

Francisco Rebouças
Francisco Rebouças

Pós-Graduado em Administração de Recursos Humanos, Professor, Escritor, Articulista de diversos veículos de divulgação espírita no Brasil, Expositor Espírita, criador do programa: "O Espiritismo Ensina".

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue seu evento conosco.
É rápido, fácil e totalmente gratuito!

+ Clique e saiba como