Página InicialTextos EspíritasHumberto de Campos: em Parnaíba e como expressão nacional

661 visualizações

Humberto de Campos: em Parnaíba e como expressão nacional

março 2, 2016

cesar-perriHumberto de Campos nasceu em Piritiba – hoje Humberto de Campos -, no Maranhão, em 1886. Foi menino pobre, ficou órfão de pai aos cinco anos de idade e estudou com esforço e sacrifício. Viveu em Parnaíba (Piauí), dos 10 aos 13 anos, ali chegando em 1896. Três anos depois seguiu para São Luís, depois para Belém e Rio de Janeiro.

Em suas obras ele conta alguns episódios que lhe deixaram sulcos profundos na alma e, entre eles, o seu amado cajueiro de Parnaíba. No capítulo “Um amigo de infância” (Memórias, 1933) escreve (trechos);

“No dia seguinte ao da mudança para a nossa pequena cada dos Campos, em Parnaíba, em 1896, toda ela cheirando ainda a cal, a tinta e a barro fresco, ofereceu-me a Natureza, ali, um amigo. Entrava eu no banheiro tosco, próximo ao poço, quando os meus olhos descobriram no chão, no interstício das pedras grosseiras que o calçavam, uma castanha-de-caju que acabava de rebentar, inchada, no desejo vegetal de ser árvore. […]” Disse sua mãe: “- Planta, meu filho… Vai plantar… Planta-a no fundo do quintal, longe da cerca… […] Aos treze anos da minha idade, e três da sua, separamo-nos, o meu cajueiro e eu. Embarco para o Maranhão, e ele fica.”

No Rio de Janeiro, então Capital da República, tornou-se famoso, como brilhante jornalista e cronista; suas páginas foram “colunas” em todos os jornais importantes do País. Dedicou-se inteiramente à arte de escrever. Ingressou na Academia Brasileira de Letras em 1919. Um ano depois foi eleito deputado federal pelo seu Estado natal, tendo seus mandatos sucessivamente renovados até ser cassado com a Revolução de 1930.

Adotou vários pseudônimos, inclusive o de Conselheiro XX. Este depois veio a ser adaptado para os livros espíritas. Quando adoeceu, modificou completamente o estilo. Fez-se amado por todo o Brasil, especialmente na Bahia e São Paulo. Seus padecimentos aumentaram, ficou parcialmente cego e submeteu-se a várias cirurgias, morando em pensão, sem o calor da família, sua vida era um quadro de dor e sofrimento. Mas continuou a escrever para consolo de muitos corações. Encarnado, escreveu quase 40 livros; sendo um publicado postumamente: Diário secreto (2 vols.) – memórias – 1954.

O recanto do terreno da casa em que ele residiu em Parnaíba foi, após a sua desencarnação, transformado num jardim público com a denominação de Parque “Humberto de Campos”.

Há um fato marcante registrado em seu Diário, transcrevendo trechos publicados em “Diário Carioca” e também citado no livro de Chico Xavier Novas mensagens (trechos):

“Três desses missivistas, compadecidos, me apontam, porém, para chegar à presença de Deus, e obter aqui mesmo na Terra as suas graças, outro caminho: são almas caridosas que me desejam ver, não livre dos tormentos do Inferno na outra vida, mas da cegueira completa, que continua a processar-se, aqui mesmo, neste mundo. […] Por que não tenta o Espiritismo? Por que, se a Ciência dos homens lhe tirou a esperança, não tenta o sobrenatural? […] Domingo, 14 de agosto de 1932. Há um mês, mais ou menos, Mme. F., proprietária da pensão em que atualmente resido, perguntou-me se acreditava no espiritismo. Respondi-lhe com um gesto vago, mas em que havia mais negativa do que afirmação. Eu também não creio, respondeu-me; mas, tais são as coisas que tenho visto, e tantas as curas por espiritismo, que fico na dúvida, sem saber o que pense a respeito. E conta-me o seu caso, e o caso de amigas e conhecidas suas, cujas enfermidades foram diagnosticadas, e curadas com receitas fornecidas pelos “médiuns” os quais chegaram a corrigir, algumas vezes, médicos ilustres anteriormente consultados. […] Por que o senhor não experimenta o espiritismo? Se o senhor quiser, ponha o seu nome, a sua idade e a sua residência em um papelzinho, que eu dou a meu marido e ele faz a consulta. Dou-lhe a papeleta, com essas informações pessoais. E esgota-se a primeira semana. Decorre a segunda. Termina a terceira. E não me lembrava mais do caso, quando esta manhã, Mme. F., empurrando levemente a porta do gabinete, onde eu escrevia tranquilamente, pediu licença e, entrando, encostou-se à mesa. O senhor deve estar aborrecido comigo e com F., começa, ao mesmo tempo que calça as luvas, pois que vai sair para a reunião dominical da sua igreja protestante; mas meu marido não se esqueceu do negócio do espiritismo… Ele está é embaraçado para lhe dar a resposta… O senhor é, porém, um homem superior, e não ignora a gravidade da sua doença. De modo que eu achei melhor vir lhe dizer logo a verdade. Toma fôlego. Desabotoa as luvas. Abotoa-as novamente.

Continua: F… (o marido) foi a duas sessões de espiritismo, e tanto numa como na outra, com dois “médiuns”, que não conheciam um a resposta do outro, o resultado foi o mesmo: isto é, que o senhor está muito doente e pode morrer de um momento para outro; de modo que nem vale a pena receitar… Os espíritos acrescentam que o senhor abusa muito da sua saúde, mas que o médico que o senhor tem é muito bom… E notando, parece, em mim, o efeito da notícia: É possível, porém, que isso não seja verdade… No meu caso ele acertou… No de S… também, e em todos os outros… Mas, no do senhor pode não dar certo… De qualquer modo, o senhor é um espírito forte, e é melhor estar prevenido… Um frio irresistível me corre pela espinha. Agradeço a informação, simulando serenidade, e Mme. F. retira-se. O coração bate-me, descompassado. Tenho a impressão de que vou desfalecer. Ponho-me de pé, buscando respirar com força. Deito-me. Levanto-me. Passeio pelas duas salas desertas, atônito, o pensamento em desgoverno, como quem acaba de receber uma violenta pancada no crânio. Afinal, eu creio ou não creio? Aí está uma explicação, sincera, leal, aos espíritas que me escrevem, interessando-se pela minha saúde. Bati, embora sem fé, ou mandei bater por mão alheia, à porta em que todos recebem esperanças e consolação. E o que de lá me veio foi, ainda, como veem, a desilusão e a dor…”

Em 5 de dezembro de 1934, o escritor desencarnou.

Três meses após a desencarnação, retornou do Além, através do jovem médium Chico Xavier, este, com 24 anos de idade somente, e começou a escrever, sacudindo o País inteiro com suas crônicas de além-túmulo. O fato abalou a opinião pública. Os jornais do Rio de Janeiro e outros estados estamparam suas mensagens, despertando a atenção de toda gente. Agripino Grieco e outros críticos literários famosos examinaram atenciosamente a produção de Humberto, agora no Além. E atestaram a autenticidade do estilo. “Só podia ser Humberto de Campos!” – afirmaram eles. Começou então uma fase nova para o Espiritismo no Brasil. Chico Xavier e a Federação Espírita Brasileira ganharam notoriedade. Vários livros foram publicados.

Os familiares de Humberto moveram uma ação judicial contra a FEB, exigindo os direitos autorais do morto! A Federação ganhou a causa. Humberto, constrangido, quando retornou a escrever, usou o pseudônimo de Irmão X. O histórico da polêmica registrada no livro A psicografia ante os tribunais, escrito pelo jurista Miguel Timponi (Ed.FEB).

Como espírito escreveu obras pelo médium Chico Xavier, doze publicadas pela FEB (entre 1937 e 1969):Crônicas de além-túmulo; Brasil, coração do mundo, pátria do evangelho; Novas mensagens; Boa nova; Reportagens de além túmulo; Lázaro redivivo; Luz acima; Pontos e contos; Contos e apólogos; Contos desta e doutra vida; Cartas e crônicas; Estante da vida, e, pela Editora Boa Nova: Histórias e anotações (2010).

No final de outubro de 1950, a “Caravana da Fraternidade” visitou Parnaíba. Além das atividades no C.E. Perseverança no Bem, no Grupo “Vida e Progresso”, na Maternidade Marques Bastos e no Educandário Padre Damião, o caravaneiros também visitaram o cajueiro e a urbanização, feita pelo prefeito Mirocles Veras, em 1940.

Entre muitos comentários oportunos relacionados com nossa Pátria, destacamos da apresentação de Novas mensagens (FEB):

“E foi assim que a caridade selou, então, todas as atividades do Espiritismo brasileiro. Seus núcleos, em todo o país, começaram a representar os centros de eucaristia divina para todos os desesperados e para todos os sofredores. Multiplicaram-se as tendas de trabalho do Consolador, em todas as suas cidades prestigiosas, e as receitas mediúnicas, os conselhos morais, os postos de assistência, as farmácias homeopatas gratuitas, os passes magnéticos, multiplicaram-se, em toda parte no Brasil, para a fusão de todos os trabalhadores, no mesmo ideal de fraternidade e de redenção pela caridade mais pura. (Recebida pelo médium Francisco Cândido Xavier, em 5 de novembro de 1938).”

Em Brasil, coração do mundo, pátria do evangelho (FEB, 1938), Emmanuel registra na apresentação:

“O Brasil não está somente destinado a suprir as necessidades materiais dos povos mais pobres do planeta, mas, também, a facultar ao mundo inteiro uma expressão consoladora de crença e de fé raciocinada e a ser o maior celeiro de claridades espirituais do orbe inteiro.”

E o autor espiritual do livro destaca:

“Consideremos o valor espiritual do nosso grande destino. Engrandeçamos a pátria no cumprimento do dever pela ordem, e traduzamos a nossa dedicação mediante o trabalho honesto pela sua grandeza! Consideremos, acima de tudo, que todas as suas realizações hão de merecer a luminosa sanção de Jesus, antes de se fixarem nos bastidores do poder transitório e precário dos homens! Nos dias de provação, como nas horas de venturas, estejamos irmanados numa doce aliança de fraternidade e paz indestrutível, dentro da qual deveremos esperar as claridades do futuro. Não nos compete estacionar, em nenhuma circunstância, e sim marchar, sempre, com a educação e com a fé realizadora, ao encontro do Brasil, na sua admirável espiritualidade e na sua grandeza imperecível!”

Antonio Cesar Perri de Carvalho

Notas do autor:
a) Síntese do pronunciamento do autor ao ser homenageado com a “Medalha do Mérito Legislativo” em Sessão Solene da Câmara de Vereadores de Parnaíba, no dia 29/8/2015.
b) Do jornal digital “O Consolador”: http://www.oconsolador.com.br/ano9/453/especial.html.

Nota do editor:
Imagem ilustrativa e em destaque disponível em
<https://editoramundomaior.wordpress.com/tag/brasil-de-amanha/>.
Acesso em: 02MAR2016.

Antonio Cesar Perri de Carvalho
Antonio Cesar Perri de Carvalho

Ex-presidente da Federação Espírita Brasileira (interino de 5/2012 a 3/2013 e efetivo de 3/2013 a 3/2015); membro da Comissão Executiva e Primeiro Secretário do Conselho Espírita Internacional; Membro do Grupo de Estudos Espíritas Chico Xavier.

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue seu evento conosco.
É rápido, fácil e totalmente gratuito!

+ Clique e saiba como