Página InicialTextos EspíritasO que é Psicografia?

1086 visualizações

O que é Psicografia?

outubro 19, 2019

Psicografia é uma faculdade que permite a certos médiuns escreverem sob a ação de Espíritos.

Quem a possui é chamado de médium psicógrafo ou escrevente.

É a faculdade mediúnica mais suscetível de ser desenvolvida pelo exercício. Além disso, é o meio de comunicação mais simples, mais cômodo e mais completo para com os Espíritos.

O fato da mensagem ser escrita permite que façamos um estudo mais cuidadoso, analisando o conteúdo transmitido, o estilo e as ideias contidas no texto escrito.

Além disso, em alguns casos, podemos até identificar o autor pela letra ou assinatura.

Existem 3 tipos de médiuns psicógrafos:

Médium Mecânico:

São raros. Nesse caso, o Espírito atua, diretamente, sobre a mão do médium, impulsionando-a. Independe da vontade do médium e ele nem toma consciência do que está escrevendo. Na nossa Casa Espírita (Associação Espírita Allan Kardec) conhecemos dois médiuns psicógrafos mecânicos. Algumas vezes eles escrevem com as duas mãos e de trás para a frente (da direita para a esquerda), sem nenhuma consciência do conteúdo das mensagens. Somente após o término da comunicação é que se torna possível saber o que foi escrito. Quando escrevem com as duas mãos, são dois Espíritos que se comunicam, simultaneamente – prova inconteste de que os Espíritos atuam, diretamente, sobre suas mãos, sem passar por sua mente (alma).

Médium Intuitivo:

São muito comuns. O Espírito comunicante atua sobre a alma do médium, identifica-se com ela e lhe transmite suas ideias. De posse do pensamento o médium se expressa conforme suas condições intelecto-morais. Nesse caso, o médium funciona como um verdadeiro interprete do Espírito comunicante e toma conhecimento do que o Espírito quer escrever.

Médium semi-mecânico:

São comuns também. O Espírito atua na mão do médium (como no caso dos mecânicos) dando algum impulso, mas o médium não perde o controle da mão e, se escreve, o faz porque quer. Tem consciência do que escreve na medida que as palavras vão sendo escritas. É um misto de psicografia mecânica e intuitiva.

Considerando que o médium é um interprete do Espírito, este, quando quer escrever, tende a procurar o “intérprete” mais apto para expressar seus pensamentos, de sorte a permitir que a mensagem que ele quer passar, não sofra alterações.

Ocorre o mesmo entre nós, os encarnados. Se você estivesse na Rússia e quisesse se comunicar com as pessoas de lá e tivesse a disposição, por exemplo, dois intérpretes, procuraria aquele mais apto a transmitir sua fala. Se dentre os dois interpretes, você reconhecesse, num deles, deficiências, isto é, falta de domínio das línguas russa e portuguesa, o descartaria, pois não teria confiança na interpretação e reprodução de sua fala.

Assim acontece com os Espíritos que desejam se comunicar conosco: sempre procuram o médium mais apto a fazê-lo. Somente quando não encontram é que se utilizam daquele que se apresente com boa vontade, embora as limitações próprias.

Quando o médium se encontra apto?

O médium sempre influi na comunicação mediúnica porque intermedeia o pensamento do Espírito comunicante e a sua expressão no plano terreno.

Estabelece-se uma verdadeira corrente mental entre o médium e o Espírito: o Espírito emite seu pensamento e o médium capta e o “traduz” de acordo com suas condições de assimilação intelectual e moral.

Portanto, o médium tem necessidade de se preparar para ser um bom interprete dos Espíritos.

A sua especialização se dá, como em tudo na vida, pelo seu esforço, estudo, exercício, sua dedicação e boa-vontade. O treino (exercício) se faz necessário, mas sempre num grupo espírita bem preparado.

Há que estudar muito para se especializar.

Ter consciência do processo mediúnico: como se dá, o que poderá fazer para ajudar e não trazer obstáculos para a comunicação.

Aprender todas as técnicas da mediunidade: como se concentrar, como estabelecer a ligação com o Espírito comunicante, por exemplo.

Como o uso que faz da sua faculdade depende de suas intenções (moral), somente o médium honesto, humilde, simples, que aplica o que aprende, que emprega sua faculdade para o Bem das pessoas, é que vai poder contar com a simpatia dos Espíritos sérios e bons, que poderão ajudá-lo no exercício de sua faculdade.

Tudo é conquista. Nada é de graça.

Fernando Rossit

Referências Bibliográficas:
(1) KARDEC, Allan. O Livro dos Médiuns;
(2) OLIVEIRA, Therezinha. Mediunidade.

 

Fernando Rossit
Fernando Rossit

Funcionário público, residente em São José do Rio Preto, Espírita desde 1978, trabalhador da Associação Espírita Allan Kardec, atuando como Doutrinador, Médium Psicofônico, Orador e Instrutor Cursos da Doutrina Espírita.

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue seu evento conosco.
É rápido, fácil e totalmente gratuito!

+ Clique e saiba como