Página InicialTextos EspíritasFilho racional ou irracional: a escolha é nossa!

519 visualizações

Filho racional ou irracional: a escolha é nossa!

janeiro 12, 2020

Qual seria, para a sociedade, o resultado do relaxamento dos laços de família? – “Uma recrudescência do egoísmo.”(1)

Conforme ensina a Doutrina espírita, a família é a unidade fundamental em todas as sociedades. Elemento básico do organismo social, quando adoece, a sociedade responde em desequilíbrio.

Para bem atender à função designada por Deus, de modo a estar corretamente ajustada aos seus propósitos, a família deve atender a três objetivos:

  1. Desenvolvimento do amor entre os cônjuges;
  2. Manutenção da perpetuidade da espécie;
  3. Promoção da educação dos filhos.

O primeiro objetivo, talvez o maior desafio, precisa de tempo para se realizar plenamente, vindo daí a necessidade de se manter o vínculo entre o casal por bom espaço de tempo; o segundo acontece naturalmente se chegam os filhos; e o terceiro, demandando muito trabalho dos pais para a sua plena concretização, atravessa atualmente momento curioso em nossa sociedade, sendo assim, junto com o objetivo número dois, serão objetos específicos desta breve análise.

É fato estarem as famílias limitando o número de filhos, as razões são variadas. Aquelas famílias com numerosa prole, nos tempos atuais, são uma raridade. Os casais modernos têm optado por poucos ou mesmo nenhum filho. Uma tendência, não há dúvida, e os países europeus são uma prova viva desta realidade.

Entretanto, como se esta limitação da prole não bastasse, de uns tempos para cá, observa-se uma inclinação muito presente em nossa sociedade, qual seja, a de se criar um animal de estimação, em lugar de um filho, animal este mais conhecido pela correspondente palavra inglesa: “pet”.

Estatísticas recentes já acusam a existência de um número maior de animais de estimação do que de “filhos humanos”; sim, para muitos, o seu “pet” é equivalente a um “filho humano”.

A situação vem se agravando quando se observa a criação de um universo de comércio crescendo vertiginosamente contemplando: lojas especializadas em alimentos e singularíssimo vestuário; mil variedades de brinquedos, afinal são “crianças”; SPAs, para os mais comilões, como se a responsabilidade pela obesidade dos animais fosse deles; já se fala em psicólogos para os animaizinhos; clubes; hotéis dedicados; festas especializadas para o aniversário dos “filhos” de quatro patas, com direito a bolo e decoração, como se o animal pudesse distinguir a diferença e valorizar a decoração do ambiente, e assim segue, desconhecemos aonde estas modernidades irão desaguar. Ah, é fato, já se pintam as unhas dos gatos.

Orienta a Doutrina, e o faz com sabedoria, serem os irracionais também obra de Deus, ou por outra, tudo que existe no Universo, e o próprio Universo, é obra divina, e disto não temos dúvida, aqueles evoluem até chegarem ao reino hominal, conforme registra a primeira obra fundamental (2): O terem os seres vivos uma origem comum no princípio inteligente não é a consagração da doutrina da metempsicose? – “Duas coisas podem ter a mesma origem e absolutamente não se assemelharem mais tarde. Quem reconheceria a árvore, com suas folhas, flores e frutos, no gérmen informe que contém a semente donde ela surge? Desde que o princípio inteligente atinge o grau necessário para ser Espírito e entrar no período da humanização, já não guarda relação com o seu estado primitivo e já não é a alma dos animais, como a árvore já não é a semente. [.]” (Negritamos)

Como se denota, os irracionais evoluem até atingir o grau de humanização, para, em seguida, atingir a angelitude, meta fatal a nos aguardar.

Entretanto, esta verdade não deve ser entendida ou usada para idolatrar os animais irracionais, tampouco para colocá-los em posição de destaque em detrimento dos racionais.

Hoje há milhões de crianças “humanas” necessitadas em diversos graus de: educação, alimentação, moradia, saúde, higiene, atenção, e finalmente amor, não sendo estas atendidas por diversas razões, contudo, uma delas, certamente, pelo costume de se “adotar” um irracional como “filho”, relegando o racional à própria sorte.

A indústria voltada a atender as “necessidades” dos pets – ou seriam dos donos!? – movimenta bilhões de reais por ano, enquanto crianças humanas morrem de desnutrição a cada segundo, não sensibilizando os proprietários destas “crianças” irracionais, que não medem esforços para agradá-las como se humanos fossem.

Allan Kardec, no momento de seu enterro, em discurso proferido por Camille Flammarion, foi chamado de bom senso encarnado, e nos parece que este bom senso está ausente em muitas famílias quando se negam a doar alguns poucos reais para obras assistenciais dedicadas à infância desvalida, mas não poupam recursos para cuidar de seus irracionais.

Não há dúvida ser necessário zelar pelos irracionais, “irmãos” nossos em evolução, mas o razoável deve nos nortear evitando o afastamento do equilíbrio; negam-se a doar R$30,00 ao mês, por exemplo, à conhecida e atuante organização dos Médicos sem Fronteira, que se dispõem a atravessar oceanos para cuidar de crianças desconhecidas, as quais, sem este concurso, pereceriam, tudo em nome do amor aos semelhantes, porém, os “pais” dos pets não se recusam a comprar um sorvete para amenizar o calor de um irracional. Há algo de muito estranho nesta conduta.

Este entendimento e rotina de como tratar e ver os irracionais, se continuados, poderão nos levar a uma situação de grande risco no futuro, se ensinarmos pelo exemplo, aos jovens, ser preferível ter filhos irracionais, no lugar de filhos racionais, no futuro, quando desencarnarmos, e todos nós desencarnaremos, no momento em que estivermos prontos para retomar uma nova existência carnal a seguinte situação poderá acontecer:

“Oficial do Posto de Reencarnação ao chegar um pretendente”:

– O candidato é cachorro, gato, passarinho, lagarto, tartaruga, porco, cobra, hamster, papagaio, aranha, sapo, coelho…?

– Resposta: Não, claro que não, o Sr. não percebe que sou humano!

“Informa o Oficial”:

– Então, por favor, aguarde naquela outra fila, no momento só estão voltando irracionais!

Não há dúvida ser esta situação hipotética, pura ficção, não há oficial de posto, tampouco guichê de reencarnação, muito menos espera dos irracionais para reencarnar, mas serve como alerta, se a juventude de agora incorporar este costume, amanhã quando estivermos desencarnados, será muito difícil reencarnar, pois, os jovens de agora, adultos do futuro, não desejarão filhos racionais, apenas irracionais, visto serem estes últimos mais fáceis de “educar”.

Nada temos contra as valorosas e indispensáveis organizações dedicadas à causa animal, visto que, nós, os humanos racionais, nem sempre cuidamos dos irracionais como eles deveriam ser cuidados, sabemos perfeitamente disto, entretanto, a situação moderna nos traz alguma apreensão, porquanto, tudo indica, haver carência de bom senso.

Igualmente, nada temos contra aqueles que adotaram “pets”, estes, por exemplo, agregam muitos benefícios ao desenvolvimento das crianças, claro, desde que estas existam na família, entretanto, nos parece ser a conduta atual um tanto distante do razoável, do equilíbrio e da racionalidade, nos obrigando a, no mínimo, repensar esta tendência contemporânea.

Rogério Miguez

Referências:
(1) KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Trad. Guillon Ribeiro. 69. ed. Rio de Janeiro: FEB Editora, 1987. Parte 2ª, cap. VII, q. 775.
(2) _____. q. 611.

Nota do editor:
Imagem ilustrativa e em destaque disponível em <https://www.pranazen.com/resolvendo-o-karma-familiar/foto-familia-antiga/>. Acesso em: 12JAN2020.

Rogério Miguez
Rogério Miguez

Trabalhador da Doutrina Espírita desde a Mocidade, tendo atuado no estado de Rio de Janeiro em algumas Casas e, atualmente, em São José dos Campos/SP nos Centros Amor e Caridade, Jacob e Divino Mestre. Colabora em Cursos, Exposições, Atendimento Fraterno e Passes, sendo articulista dos periódicos Reformador e Revista Internacional de Espiritismo.

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue seu evento conosco.
É rápido, fácil e totalmente gratuito!

+ Clique e saiba como