536 visualizações

Finados

novembro 1, 2020

O calendário reserva o dia 2 de novembro para a memória das pessoas que desencarnaram.

Nesse dia, as recordações fazem-se mais vivas e não poucos afetos que ficaram na Terra buscam os cemitérios para as homenagear. Limpam-lhes as sepulturas, adornam-nas com flores e fotos, visitam-nas.

Em alguns países, como o México, são realizadas festas que fazem parte do calendário tradicional de homenagens e são celebrados momentos evocativos com imensa alegria e todo um arsenal de atividades, de alimentos especiais, de jogos infantis e adultos, de música e baile…

Na Guatemala, usam-se pipas que colorem os céus numa celebração muito especial.

A tradição de origem católica remonta ao século II dC, quando os cristãos recordavam os mártires e oravam por eles em um culto de ternura, respeito e saudade. Foi mais incrementada a comemoração a partir do século X quando o abade Odilo de Cluny sugeriu na sua igreja que se celebrasse a memória dos mortos, porque notou que os mesmos eram esquecidos e sequer se orava por eles.

Houve períodos em que possuía uma grande força religiosa tal celebração, porém, à medida que os anos sucederam e os hábitos foram modificados, diminuiu o impacto, permanecendo até hoje, especialmente no Brasil, quando o dia é feriado, para facilitar a comemoração.

Allan Kardec, interrogando os Espíritos a esse respeito, deles recebeu uma resposta gentil, de que eles se compraziam ao serem lembrados e evocadas muitas experiências do passado de que participaram.

Merece, porém, algumas considerações, quando pessoas fragilizadas pela saudade, que não souberam viver o luto, deixam-se dominar pela tristeza e melancolia perturbadora, como se a vida houvesse terminado no momento em que houve a desencarnação do ser amado.

A grande verdade é que a imortalidade é um triunfo da vida.

A morte não aniquila os seres, apagando a sua realidade ou anunciando que logo depois vem o repouso em paz.

Cada qual, porém, desperta no Mais Além com os valores que lhe são peculiares, qual ocorre com o dia-a-dia de todos nós. O dormir, faz-nos lembrar o morrer e o despertar na manhã seguinte, como o ressurgir além do sepulcro.

Eis porque se torna muito importante a conduta saudável durante o périplo terreno, amealhando valores que servirão de bênçãos após a desencarnação.

Esse culto carinhoso aos que viajaram em direção da Espiritualidade pode ser um estímulo para que as suas lembranças auxiliem aos que ficaram a viver dignamente em sua homenagem.

A morte sempre foi temida e detestada. Embora todos saibamos que iremos morrer permanecem teorias absurdas e superstições acabrunhadoras.

Morrer é somente fenômeno biológico que liberta o Espírito da matéria.

Divaldo Pereira Franco

Nota do Editor:
Divaldo Franco escreve no jornal A Tarde – Coluna Opinião – às quintas-feiras (quinzenalmente).
Texto publicado, originalmente, no jornal A Tarde, coluna Opinião, em 31/10/2019.

Nota do editor:
Imagem ilustrativa e em destaque disponível em <https://agendaespiritabrasil.com.br/2014/11/01/o-dia-de-finados-em-nossos-coracoes/>. Acesso em: 01NOV2020.

Divaldo Pereira Franco
Divaldo Pereira Franco

Divaldo Pereira Franco é natural de Feira de Santana, Bahia, Brasil, reconhecido como um dos maiores médiuns e oradores espíritas da atualidade, fundou, juntamente com seu fiel amigo Nilson de Souza Pereira, o Centro Espírita Caminho da Redenção e a Mansão do Caminho, que atendem a toda a comunidade do bairro de Pau da Lima, em Salvador, beneficiando milhares de doentes e necessitados.

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue seu evento conosco.
É rápido, fácil e totalmente gratuito!

+ Clique e saiba como