615 visualizações

Dói morrer?!

dezembro 8, 2022

Dona Lúcia tinha pavor da morte. Só de falar, já lhe dava arrepios.

– “Eu nem quero pensar nisso! Me dá um medo que só!” – argumentava ela toda vez que era questionada no tema.

Mas o que antes ela evitava pensar, o avançar da idade e a fragilidade física passaram a não lhe deixar de olvidar o assunto infeliz.

Certa feita, trocando palavras com a irmã, não resistiu e perguntou:

– “Será que dói morrer?!

* * *

A morte é apenas uma passagem, muitas vezes sem nenhuma dor.

Dizem os espíritos que costumamos sentir mais dor em alguns momentos da vida do que na própria hora morte (1).

É como se fossemos dormir.

O sono será leve e dosado se de amor tiverem sido as nossas ações em vida.

Será um sono pesado, se pesadas tiverem sido as nossas práticas focadas em vaidade, orgulho e egoísmo.

Da mesma forma com que um pesadelo se desfaz ao amanhecer, o mesmo ocorre com o espírito. Passadas as tribulações que a matéria mental exala e a sintonia psíquica experimenta, um novo alvorecer se lhe descortina, trazendo aos seus olhos, em alguns casos, familiares, amigos, conhecidos que partiram ou estranhos à esta vida terrena.

Há relatos ainda que endossam a ausência de dor. Em casos de mortes violentas, os espíritos costumam ficar surpresos e atordoados. Só depois se darão conta de que desencarnaram. É o caso, a exemplo, de um soldado na guerra cujo corpo tenha sido dilacerado por uma explosão súbita. Possivelmente continuará em suposto combate até entender o que de fato ocorreu (2).

Mas não há como deixar de mencionar: há casos de dor.

Dor que pode manter no espírito a sensação física que lhe dilacera a alma, ainda que não haja mais o corpo carnal. Ou então a dor moral que será bem maior em função da consciência arrependida que cobra impiedosamente os débitos adquiridos em condutas entenebrecidas e questionáveis diante da moral ensinada pelo Cristo. É o caso dos suicidas. Daqueles que desrespeitaram as leis Divinas e precisam expiar suas faltas até serem polidas nas mãos da reparação (3,4).

Daí a importância de aproveitarmos cada momento atuando na paz, no amor e na caridade. E confiarmos sempre em Deus.

Ele nunca nos desampara.

Ele sempre estará conosco.

Márcio Martins da Silva Costa

Referências:
(1) KARDEC, A. O Livro dos Espíritos. Questão 154, 93a ed. Brasília (DF): Federação Espírita Brasileira, 2013b;
(2) Idem. Questão 546;
(3) Idem. Questão 983; e
(4) KARDEC, A. O Céu e o Inferno. 61a ed. Brasília (DF): Federação Espírita Brasileira, 2013ª.

Nota do editor:
Imagem ilustrativa e em destaque disponível em <https://agendaespiritabrasil.com.br/2015/07/10/experimentando-o-morrer/>. Acesso em: 08DEZ2022.

Márcio Costa
Márcio Costa

Membro do Conselho Editorial da Agenda Espírita Brasil, atua na divulgação da Doutrina Espírita escrevendo textos e realizando palestras.

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue o cartaz do seu evento espírita.

Clique aqui