227 visualizações

Inveja

dezembro 21, 2022

Nos mostra o dicionário que inveja é o “desgosto provocado pela felicidade ou prosperidade alheia” ou o “desejo irrefreável de possuir ou gozar o que é de outrem”, mas a doutrina espírita utilizada como ferramenta de autoconhecimento associada às leis universais que ela, tão bem, nos vislumbra pode ajudar-nos a entendê-la melhor.

Antes de tudo cabe-me salientar que, pelo menos sob um aspecto, a inveja pode ser positiva. Ela pode ser um catalisador para uma nova atitude de quem a sente, ou seja, o desejo de possuir algo que o outro possua pode servir de motivação para que eu acione, em mim, os talentos necessários para alcançar a mesma conquista.

Mas, no geral, a inveja á algo bastante negativo a nos despertar sentimentos, pensamentos e vibrações deletérias, sobretudo, a nós mesmos e ela pode ser avaliada sob vários aspectos diferentes.

A primeira delas é uma incompreensão da lei de causa e efeito, considerando-se que as condições atuais de nossa existência foram determinadas dentro de um planejamento antes mesmo dessa encarnação, ou seja, minha atual situação pode ser aquela que me proporciona as melhores condições para todos aqueles ajustes necessários ante os equívocos cometidos em existências passadas.

E se temos uma má interpretação dessa lei passamos a acreditar em injustiça divina contra nós mesmos e, como se sente qualquer injustiçado, passamos a sentir, em maior ou menor grau, ódio. Ódio de Deus, ódio contra aquela pessoa que possui um bem material ou uma vida que acreditamos, seja melhor do que a nossa e, talvez o pior de todos, ódio contra nós mesmos por não nos encontrarmos em posição melhor. 

Ódio pode ser uma palavra forte e talvez você acredite que exagerei no seu uso, mas é que, por uma autossabotagem, nós tendemos a passar uma demão verniz e aliviar os nossos piores sentimento e isso, via de regra, nos impede de enxergar a verdade e caminhar no sentido de corrigir nosso comportamento. Quantos quadros depressivos talvez fossem evitados se esse ódio contra si mesmo fosse escancarado? O início da cura está justamente na aceitação do problema.

Mas, no geral, nos falta mesmo é a resignação e a sua mais bela definição está no Evangelho Segundo o Espiritismo quando afirma que ela é o “consentimento do coração”. Essa aquiescência pode ser fator determinante para que esses sentimentos negativos não se manifestem, fazendo com que enxerguemos a nossa situação com outros olhos, aceitando a nossa atual condição, aceitando as diferenças ante as demais pessoas, aceitando as determinações das leis divinas, aceitando eventuais limitações e, diante disso, trabalhar para diminuí-las, aumentando nossa fé em Deus e, sobretudo, em nós mesmos.

André Tarifa 

Nota do editor:
Imagem ilustrativa e em destaque disponível em <https://agendaespiritabrasil.com.br/2016/08/28/a-inveja/>. Acesso em: 21DEZ2022.

André Luis R. Tarifa
André Luis R. Tarifa

Trabalhador espírita desde os 12 anos de idade, eterno aprendiz, tenho um canal no Youtube onde compartilho meu aprendizado e as belezas da poesia. Atualmente desenvolvo os meus trabalhos no Centro Espírita Mansão da Esperança em São Paulo, SP.

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue o cartaz do seu evento espírita.

Clique aqui