282 visualizações

As luzes do momento

fevereiro 1, 2023

“Andai enquanto tendes luz.” (1)

Todo o tempo é importante na vida, mas o momento presente é o tesouro inalienável que Deus coloca à nossa disposição a fim de progredirmos.

As ocorrências de toda ordem acenam como uma oportunidade impostergável para que se tenha um valor mais justo da própria caminhada, de saber-se um pouco mais a respeito de si mesmo.

Temos, comumente, o olhar investigativo, que analisa e julga os atos alheios, esta visão apaixonada, obscurecida pela ignorância nos faz criticar e tecer comentários desairosos, e a nos posicionarmos de forma desanimada ou rebelde diante dos fatos, muitas vezes, tendo reações intempestivas e desequilibradas. É certo que não iremos pactuar com a violência e o erro, porém, desejarmos o mal e querermos a destruição de coisas e pessoas não solucionará o problema, apenas revelará a inferioridade que nutrimos, aguardando melhoria. Para contribuir com o bem geral e com a sua própria vida é preciso que o espírito se liberte das “amarras do passado” (2), dos hábitos, comportamentos e sentimentos menos dignos e em desalinho com as leis divinas, para isto lhe serve a presente existência.

Jesus é o príncipe da paz e nos deu o exemplo da não violência, do respeito ao outro, do amor incondicional que se estende até o inimigo, considerado um absurdo para quem tem visão tacanha da realidade espiritual. Disse-nos ele que, “quem anda nas trevas não sabe para onde vai” (3), comportar-se, negativamente, sem dimensionar as consequências dos próprios atos é viver a escuridão moral, onde o nevoeiro da insensatez compromete a claridade com que se deve enxergar a realidade. É comum reclamarmos de não nos sentirmos tão bem quanto gostaríamos, sem nos darmos conta de que as nossas produções impactam, diretamente, a nossa felicidade e o conforto íntimo. A consciência é um guardião que não dorme, “nela está escrita a lei de Deus” (4), ensinada por Jesus, ela avalia os menores atos, pensamentos e palavras, deixando-nos prisioneiros e implicados nos efeitos do que criamos.

O momento presente não é o da lamentação, mas o do aprendizado, o mal que recebemos não nos faz infelizes, e sim o que praticamos, porque deixa suas marcas negativas nas tecituras sutis da alma; o bem sempre trará harmonia íntima, o mal apenas amargor, criando a necessidade da reparação ao longo do tempo, nesta ou em futuras existências. Não sejamos juízes de ninguém, promovamos a paz e a ordem em toda parte, se não formos respeitados não tem problema, respeitemos nós, se enxergamos treva em alguém ou em algum lugar, apresentemos os nossos melhores esforços projetando luzes de compreensão e de bondade. Só podemos fazer a  nossa parte, se lutarmos contra as nossas más inclinações, quando já estaremos auxiliando a nossa e a vida de todos. A nossa conduta, através do bom exemplo, falará mais do que o verbo ácido, ofensivo e desarrazoado; lutas e confrontos apenas estimularão o ódio e o desamor. Assim, esforcemo-nos para que os nossos gestos sejam amorosos, pensemos nisso, esse é o nosso dever.

Em nosso próprio benefício, aproveitemos as luzes do presente, enquanto o temos para amar, servir e melhorar.

O ontem é para refletir, o futuro não o temos, apenas o presente é tempo de semear para ser feliz.

Adelvair David

Referências:
(1) João 12:35ç
(2)
393 de O livro dos Espíritos.
(3) João 12:35; e
(4) 621 de O livro dos Espíritos.

Nota do Editor:
Imagem em destaque disponível em <https://unsplash.com/pt-br/fotografias/210iNu-GQXU> . Acesso em 01JAN2023.

Adelvair David
Adelvair David

Dirigente, Trabalhador e Orador Espírita no Grupo Espírita Beneficente "Maria Dolores", na Cidade de Jales, interior de SP.

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue o cartaz do seu evento espírita.

Clique aqui