94 visualizações

Coerência de André Luiz

dezembro 27, 2023

Vez por outra surgem as contendas no movimento espírita, oriundas de vários temas que nos ocupam a todos. Os pontos de vistas variados, as interpretações apressadas ou precipitadas são responsáveis por isso, quando falta o estudo, a pesquisa séria e profunda.

Conhecer devidamente é nosso dever; estudar é de nossa responsabilidade individual, para bem entendermos aquilo que dizemos seguir, para não cairmos nos equívocos de informações descabidas ou pontos de vistas pessoais, que meramente, convenhamos, são secundários.

A questão das informações trazidas pelo Espírito que se identificou como André Luiz, pela mediunidade de Chico Xavier, entra nesse contexto de questionamentos e confrontos, rejeitada por alguns, com os desdobramentos na disputa e divergência de entendimentos. Natural até que isso ocorra, dada nossa liberdade de expressão, que deve ser respeitada. Porém, tais discussões caem no vazio, quando nos defrontamos na clareza de Kardec. Nem vou citar outros autores (são muitos, inclusive o Reverendo Vale Owen, que não era espírita), todos com descrições que em nada confrontam com a Codificação. Fico só com Kardec, porque aí estamos trazendo a fonte original da Codificação.

Leiamos atentamente:

Em O Livro dos Espíritos, questão 234:

Há, de fato, como já foi dito, mundos que servem de estações e de pontos de repouso aos Espíritos errantes?

Sim, há mundos particularmente destinados aos seres errantes, mundos que lhes podem servir de habitação temporária, espécies de bivaques, de campos onde descansem de uma demasiado longa erraticidade, estado este sempre um tanto penoso. São, entre os outros mundos, posições intermédias, graduadas de acordo com a natureza dos Espíritos que a elas podem ter acesso e onde eles gozam de maior ou menor bem-estar.

Destacamos: particularmente destinados aos seres errantes (…) São entre os outros mundos, posições intermédias, graduadas de acordo com a natureza dos Espíritos (…). 

Busque-se ainda a Revista Espírita, de maio de 1865, na matéria Sobre as Criações Fluídicas, assinada por Mesmer: (…) O mundo dos invisíveis é como o vosso. Em vez de ser material e grosseiro, ele é fluídico, etéreo, da natureza do perispírito, que é o verdadeiro corpo do Espírito, haurido nesses meios moleculares, como o vosso se forma de coisas mais palpáveis, tangíveis, materiais. O mundo dos Espíritos não é um reflexo do vosso; o vosso é que é uma imagem grosseira e muito imperfeita do reino de além-túmulo.  (…).

A partir da solidez dessas duas transcrições, a primeira básica e a segunda como informação adicional, pode-se a partir daí fazer-se a natural comparação com as informações de Yvonne, por exemplo, que detalhou estruturas do mundo espiritual, o próprio André Luiz, e mesmo as informações outras vindas por Divaldo, Raul e também pelo próprio Chico.

Parece-nos, todavia, que só a questão 234, acima citada e transcrita, já resolve a questão controversa, se estudada com a devida atenção. Aí já se pode dispensar discussões dispensáveis, pontos de vistas ou opiniões secundárias que não resistem à lógica e sensatez que o conhecimento espírita oferece.

Vale acrescentar, todavia, que em A Gênese – em seu capítulo VI – Uranografia Geral, Kardec reuniu uma série de comunicações ditadas à Sociedade Espírita de Paris, entre 1862 e 1863, assinadas por Galileu, com vários subtítulos, dividindo as matérias em 61 itens, constituindo precioso conteúdo a ser sempre consultado.

No item 8, início do subtítulo As Leis e As Forças, o autor cita a abundante vida do fundo dos oceanos, levantando a hipótese dos seres que o habitam, se recebessem, de repente, o dom da inteligência ou a faculdade de estudar seu próprio mundo. Isso faria, naturalmente, que formasse uma ideia da criação, da vida e seus desdobramentos, o que se ampliaria ainda mais se chegasse à superfície e pudesse igualmente observar o mundo que se abre além do mundo marítimo, observando o sol, as plantas, o ar e tudo mais que vive fora do ambiente que fora acostumado e conhecia. O autor espiritual comenta que haveria um deslumbramento e uma gigantesca ampliação em sua visão de vida, antes restrita ao ambiente em que vivia, alterando a noção que alimentava sobre a criação, a vida, em teorias que se modificariam imediatamente, ainda que não pudesse compreender.

Cairiam por terra as teorias antes criadas para tentar explicar a vida e seus fenômenos. A dúvida, agora maior, continuaria exigindo novas pesquisas e melhor conhecimento.

E afirma Galileu: “(…) Tal é, ó homens, a imagem de vossa ciência toda especulativa (…)” (é quando Kardec traz uma Nota de Rodapé).  Em outras palavras, no raciocínio que se pode cogitar. Nossa ciência, apesar de todos os avanços, ainda é muito limitada, no exemplo trazido. O progresso contínuo vai alterando o que antes era considerado verdade, constantemente, apesar das bases já estabelecidas e conquistadas. Somos ainda muito limitados.

E Kardec, com sua lucidez, na citada “Nota”, acrescenta: “Tal é, também, a situação dos negadores do mundo dos Espíritos, quando, depois de se despojarem do seu envoltório carnal, os horizontes desse mundo se expõem aos seus olhos. Compreendem, então, o vazio das teorias pelas quais pretendiam tudo explicar unicamente com a matéria. Entretanto, esses horizontes têm, para eles, mistérios que não se revelam senão sucessivamente, à medida que se elevam pela depuração (…)”.

Embora o raciocínio aqui se aplique aos negadores do mundo espiritual (aqui entendido os materialistas) em si, a comparação vale também para os negadores das informações de André Luiz.

Precisamos só reconhecer que nosso conhecimento é muito limitado e nossas opiniões são sempre opiniões…

Orson Peter Carrara

Orson Peter Carrara
Orson Peter Carrara

Expositor espírita, tem percorrido muitas cidades do Estado de São Paulo e já esteve na maioria dos estados do país, por várias vezes, para tarefas de divulgação espírita. Articulista da imprensa espírita, tem colaborado com diversos órgãos da imprensa espírita, entre revistas, sites e jornais do país, além de boletins regionais, no país e no exterior. Autor de treze livros, seus textos caracterizam-se pela objetividade e linguagem acessível a qualquer leitor, estando disponibilizados em vários sites de divulgação espírita.

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue o cartaz do seu evento espírita.

Clique aqui