58 visualizações

O vértice da virtude

junho 25, 2024

“(…) agora, estas três virtudes: a fé a esperança e a caridade
permanecem mas dentre elas, a mais excelente é a caridade.”
– Paulo (I cor., 13:13)

Afirmou São Vicente de Paulo:

“A caridade é, em todos os mundos, a eterna âncora de salvação; é a mais pura emanação do próprio Criador”.

Segundo Cárita (martirizada em Roma):

“A caridade segue o caminho principal que conduz a Deus”.

A caridade atualmente no Espiritismo:

Atualmente o Espiritismo tal como o Apóstolo dos Gentios ontem, coloca explicitamente a caridade no mais alto pedestal entre as demais virtudes ao expressar com força de lei: “Fora da caridade não há salvação”.

A caridade não é propriedade particular de ninguém. Todos, sem exceção podem exercê-la. Ela independe de quaisquer cores política, credo ou raça.

O que diz Paulo de Tarso sobre a caridade?

Voltando pelos canais da mediunidade, Paulo de Tarso assim se exprime:

“(…) meus filhos, na sentença: fora da caridade não há salvação, estão encerrados os destinos dos homens, na Terra e no Céu; na Terra, porque à sombra desse estandarte eles viverão em paz; no Céu, porque os que a houverem praticado acharão graça diante do Senhor. Essa divisa é o facho celeste, a luminosa coluna que guia o homem no deserto da vida, encaminhando-o para a Terra da Promissão. Ela brilha como auréola santa, na fronte dos eleitos, e, na Terra, se acha gravada no coração daqueles a quem Jesus dirá: passai à direita, benditos de meu Pai. Reconhecê-los-eis pelo perfume de caridade que espalham em torno de si.

O Espiritismo não poderia provar melhor a sua origem, do que apresentando-a como regra, por isso que é um reflexo do mais puro Cristianismo. Levando-a por guia, nunca o homem se transviará.

Dedicai-vos, assim, meus amigos, a perscrutar-lhe o sentido profundo e as consequências, a descobrir-lhe, por vós mesmos, todas as aplicações. Submetei todas as vossas ações ao governo da caridade e a consciência vos responderá”.

Se pudéssemos estudar ou ensinar as virtudes tal como o fazemos com as ciências exatas, poderíamos afirmar, sem sombra de dúvida, que o vértice da virtude é a caridade, ou que a caridade é a soma de todos os elementos válidos para nossa emancipação espiritual, e onde quer que ela se manifeste jamais haverá subtração ou divisão, apenas soma e multiplicação; ou que ela é a incógnita localizada quando os outros elementos da equação da vida são constituídos pelo amor, perdão, abnegação, devotamento e compreensão.

Enfim, a caridade é a pedra angular onde repousa toda a estrutura da edificação cristã erguida pelo Meigo Pegureiro, que, como ninguém, a ensinou, praticou e exemplificou até o último momento de Sua vida e a exemplifica até hoje através da superlativa e imensurável paciência que continua tendo para com todos nós, os molengas retardatários da evolução.

Rogério Coelho

Rogério Coelho
Rogério Coelho

Rogério Coelho nasceu na cidade de Manhuaçu, Zona da Mata do Estado de Minas Gerais onde reside atualmente. Filho de Custódio de Souza Coelho e Angelina Coelho. Formado em Jornalismo pela Faculdade de Minas da cidade de Muriaé – MG, é funcionário aposentado do Banco do Brasil. Converteu-se ao Espiritismo em outubro de 1978, marcando, desde então, sua presença em vários periódicos espíritas. Já realizou seminários e conferências em várias cidades brasileiras. Participou do Congresso Espírita Mundial em Portugal com a tese: “III Milênio, Finalmente a Fronteira”, e no II Congresso Espírita Espanhol em Madrid, com o trabalho: “Materialistas e Incrédulos, como Abordá-los?” Participou da fundação de várias casas Espíritas na Zona da Mata Mineira.

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue o cartaz do seu evento espírita.

Clique aqui