762 visualizações

Religião, uma ferramenta de paz!

novembro 25, 2015

francisco_rebouçasA Doutrina Espírita alicerçada nos postulados da codificação trazida a lume pelos prepostos do Cristo, tomando por base a justiça e o amor do Criador por todos nós indistintamente, vem nos esclarecer que em qualquer corrente religiosa que seja observado as Leis Divinas resumidas por Jesus em: “Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo”, (1) há sim para qualquer Ser, cristão ou não, lograr a bênção da pureza e da perfeição espiritual que é exatamente a felicidade a que aspiramos alcançar um dia, e que, os segundo os emissários celestes, estamos todos destinados.

Quando ouvimos alguém afirmar que: “fora da sua convicção religiosa seja ela qual for, não há salvação”, preciso se faz analisar com cuidado esse tipo de conceito, pois, ele fatalmente nos levará a conclusão de que se apóia sobre falsos pilares de uma fé desenvolvida sobre dogmas particulares e não, sobre a fé fundamentada no conceito de um Deus de amor e bondade que Jesus Cristo veio nos apresentar antes de tudo como nosso Pai, amoroso e justo.

Esse conceito equivocado de quantos ainda entendem dessa forma, não leva em conta a imortalidade da alma, que é comum a todas as religiões, e, fundamenta-se num conceito exclusivo e absoluto, que ao invés de unir os filhos do mesmo Pai, separa-os; em vez de induzi-los ao amor e à fraternidade mútua, incentiva discussões, e discórdias, produzindo animosidades e intolerâncias, chegando até mesmo ao extremo das ofensas e perseguições de uma corrente religiosa para com a outra como se fossem inimigos mortais, não levando em consideração em muitos casos sequer os laços da consanguinidade, pois, até mesmo em família, travam sérios e condenáveis duelos em nome do Mestre esquecendo que Ele nos afirmou que seus discípulos seriam conhecidos por muito se amarem.

Não se pode esquecer em hipótese alguma, que a Lei de Deus é de amor e visa o entendimento e a fraternidade entre seus filhos, e toda ou qualquer corrente religiosa que não seguir tais preceitos alegando este ou aquele motivo, não pode ser levada a sério como ensinamento a ser seguido por todo o discípulo que se decida por vivenciar no seu dia a dia os nobres ensinamentos do Mestre e Guia da humanidade.

O Espiritismo nos apresenta de forma clara e simples, e sem qualquer tipo de exclusivismo para seus adeptos, o que Jesus espera de cada um de nós, deixando absolutamente a nosso critério segui-lo, ou não em respeito ao nosso livre arbítrio. Para todo o seu sincero discípulo traçou o roteiro a ser seguido em seu Evangelho: amar, trabalhar e servir. Dessa forma, todo aquele que sinceramente entender e vivenciar esses conceitos precisa o quanto antes, estender as mãos aos seus irmãos em humanidade oferecendo sua ajuda a tantos quantos dele necessitarem.

  • “Amar o próximo como a si mesmo: fazer pelos outros o que quereríamos que os outros fizessem por nós”, é a expressão mais completa da caridade, porque resume todos os deveres do homem para com o próximo. Não podemos encontrar guia mais seguro, a tal respeito, que tomar para padrão, do que devemos fazer aos outros, aquilo que para nós desejamos. Com que direito exigiríamos dos nossos semelhantes melhor proceder, mais indulgência, mais benevolência e devotamento para conosco, do que os temos para com eles?
    A prática dessas máximas tende à destruição do egoísmo. Quando as adotarem para regra de conduta e para base de suas instituições, os homens compreenderão a verdadeira fraternidade e farão que entre eles reinem a paz e a justiça. Não mais haverá ódios, nem dissensões, mas, tão-somente, união, concórdia e benevolência mútua”. (2)

A máxima apregoada pelo espiritismo, “fora da caridade não há salvação”, está perfeitamente de acordo com o que o nosso Modelo e Guia nos veio ensinar, admitindo que não só na filosofia que seguimos se consegue encontrar a salvação de nossas almas, e sim, em qualquer outra crença que observe a Lei de Deus que é a verdadeira lei de amor ensinada e exemplificada por Jesus.

Francisco Rebouças

Bibliografia:
1 – Kardec, Allan.  O Evangelho Segundo o Espiritismo, FEB, 112ª  edição. Cap. XV, item 5.
2 – Idem, Idem, Cap. XI, item 4.

Nota do editor:
Imagem ilustrativa e em destaque disponível em
<http://miriadna.com/desctopwalls/images/max/Globe-view.jpg>. Acesso em: 25NOV2015.

Francisco Rebouças
Francisco Rebouças

Pós-Graduado em Administração de Recursos Humanos, Professor, Escritor, Articulista de diversos veículos de divulgação espírita no Brasil, Expositor Espírita, criador do programa: "O Espiritismo Ensina".

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue o cartaz do seu evento espírita.

Clique aqui