Página InicialTextos EspíritasAcessibilidade, um desafio para os espíritas em 2016

155 visualizações

Acessibilidade, um desafio para os espíritas em 2016

janeiro 2, 2016

wellington-balbo99999Este é um tema que venho falando de forma recorrente. Tive a oportunidade de abordá-lo em outras ocasiões, porém, como considero o assunto muito importante, trago novamente para nossa reflexão.

Ontem, 27/12/2015, compareci para proferir palestra numa casa espírita em que o auditório localiza-se na parte de cima da construção, haja vista que é um sobrado.

Muita dificuldade de algumas pessoas para chegarem ao salão. Alguns idosos, outros portadores de necessidades especiais. Senhoras e senhores obesos apresentaram muita fadiga após subirem as escadas. A Casa Espírita em questão é organizada, seus dirigentes atenciosos e fraternos, mas há este inconveniente da falta de acessibilidade.

Tenho visitado muitos centros espíritas e constatado que salas de estudos e auditório para palestras ficam, quase que sempre, na parte superior do prédio, o que torna, senão impossível, muito difícil para algumas pessoas o acesso.

Dia desses um senhor comentou comigo, após a palestra:

Este Centro Espírita é excelente, todavia já não estou mais agüentando subir as escadas. Adoro as palestras, mas não tenho comparecido com tanta freqüência em virtude do acesso complicado.

Este é um desafio que não apenas as Casas Espíritas, mas que o Movimento Espírita deve encarar como urgente para o ano de 2016.

Uma interessante sugestão, e que já vi em algumas instituições, é a instalação de um telão na parte de baixo do salão a transmitir a palestra para aqueles que não conseguiram chegar ao piso superior.

Não resolve, mas ao menos minimiza o problema, trata-se de um paliativo enquanto não se providencia condições de acesso para todos. Não resolve porque há no centro espírita muitas outras atividades e não somente as palestras e estudos, de modo a demandar uma constante movimentação em todos os pavilhões do prédio por parte de todos que se engajam nas atividades.

Portanto, o ideal é realmente promover o ir e vir da forma mais fácil possível para qualquer pessoa.

O Espiritismo, ensinou certa vez Chico Xavier, veio para o povo e com ele dialogar.

As palavras de Chico são claras: para o povo, ou seja, para todos, indistintamente.

Logo, promover o acesso às dependências do centro espírita para todos é questão de caridade, em assim sendo, urgente.

Pensemos nisso.

Wellington Balbo

Nota do editor:
Imagem ilustrativa e em destaque disponível em
<http://www.espiritismomaringa.com/2015/12/devagar-mas-sempre-mas-ainda-que-o.html>.
Acesso em: 02JAN2016.

Wellington Balbo
Wellington Balbo

Professor universitário, Bacharel em Administração de Empresas e licenciado em Matemática, Escritor e Palestrante Espírita com seis livros publicados: Lições da História Humana; Reflexões sobre o mundo contemporâneo; Espiritismo atual e educador; Memórias do Holocausto (participação especial); Arena de Conflitos (em parceria com Orson Peter Carrara); Quem semeia ventos... (em parceria com Arlindo Rodrigues).

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue seu evento conosco.
É rápido, fácil e totalmente gratuito!

+ Clique e saiba como