188 visualizações

Encosto

fevereiro 13, 2021

Existe mesmo aquilo que o povo chama de encosto?

O termo é bem popular, mas tem a sua razão de ser. Significaria a presença de um Espírito junto a uma pessoa, passando a esta sensações ou pensamentos ruins. O fato é possível e mais comum do que se possa pensar.

Allan Kardec perguntou se os Espíritos influem em nossos pensamentos e em nossos atos e a resposta dos instrutores espirituais foi: “Muito mais do que imaginais. Influem a tal ponto que, de ordinário, são eles que vos dirigem” (O Livro dos Espíritos, questão 459).

Devemos considerar, primeiro, que a nossa essência é espiritual, ou seja, nós somos uma alma encarnada num corpo de carne e retornamos à Espiritualidade após a sua morte. Só não acreditam nisso os materialistas, para os quais a morte é o fim de tudo. As religiões divergem apenas nos detalhes.

A morte alcança somente o corpo físico, cuja matéria se decompõe e retorna à natureza. O Espírito continua sendo o mesmo, com seus pensamentos, personalidade e sentimentos, mantendo sua individualidade graças ao períspirito, um corpo de natureza fluídica, cuja aparência é semelhante à do corpo material.

Libertando-se do corpo, passa o Espírito a viver numa outra dimensão, que não é visível ao comum dos homens. Se as condições pessoais do Espírito forem boas, será ele amparado na hora da morte e conduzido a cidades espirituais, para prosseguir aprendendo, trabalhando e se relacionando.

Porém, Espíritos inferiores, presos às paixões materiais, não permitem socorro e permanecem em variadas situações na crosta do planeta ou em regiões que chamamos de umbral.

Muitos, face à continuidade das suas necessidades e sensações, não percebem ou não acreditam que a morte tenha chegado, imaginando-se em pesadelo ou loucura, porquanto não conseguem mais fazer as mesmas coisas e ninguém mais lhe dá atenção.

Outros, cientes da desencarnação, mas desorientados ou rebeldes, buscam o conforto na convivência com as pessoas que amam, como amigos e familiares; procuram se satisfazer ligando-se a desconhecidos com os mesmos vícios ou paixões; ou, por outro lado, se odeiam, buscam os inimigos para a desforra, estabelecendo processos de obsessão.

De qualquer forma, porque tudo é vibração, permutam, com os encarnados que sintonizam, os seus pensamentos, emoções e sensações. Assim, por exemplo, um Espírito que tenha desencarnado com problemas respiratórios, enquanto não desperta para a realidade espiritual continuará sentindo a dificuldade de respirar; agora, se ele se aproximar de um encarnado, é possível que este venha a sentir o mesmo mal-estar, sem que na verdade tenha qualquer problema físico.

Isso só ocorre se o encarnado estiver em baixa vibração, ou seja, com pensamentos e atitudes negativos, como tristeza, mágoa, rancor, ódio, revolta, etc. Afastada a causa espiritual, o encarnado retoma a sua condição de saúde.

Daí a importância de conhecermos os ensinamentos espirituais e, em especial, de vivenciarmos o Evangelho de Jesus, para que “encostem” em nós apenas os Espíritos bons, em condições de nos amparar nesta vida.

Donizete Pinheiro

Nota do autor:
Do livro Respostas Espíritas

Nota do editor:
Imagem ilustrativa e em destaque disponível em <https://www.mensagemespirita.com.br/md>. Acesso em: 13FEV2021.

Donizete Aparecido Pinheiro da Silveira
Donizete Aparecido Pinheiro da Silveira

Escritor, editor do periódico Ação Espírita, diretor de doutrina do Grupo Espírita Jesus de Nazaré, em Marília, SP.

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue seu evento conosco.
É rápido, fácil e totalmente gratuito!

+ Clique e saiba como