Página InicialTextos EspíritasAs implicações em não ser escolhido

249 visualizações

As implicações em não ser escolhido

fevereiro 14, 2021

É muito conhecida a passagem nos Evangelhos abordando a questão dos Muitos chamados, mas poucos os escolhidos (Mt. 22:1 a 14).

Essa Parábola – do Grande Banquete -, é de difícil compreensão quando analisada de forma literal. E mais, a apreensão criada sobre a possibilidade de ser escolhido, deixa o leitor preocupadíssimo se será ou não selecionado, afinal, a mensagem básica da lição é: muitos serão convocados, contudo, apenas alguns serão preferidos.

É o tipo de preocupação característico quando não se entende, ou não se aceita, a absoluta misericórdia de Deus à todas as suas criaturas, indistintamente, independente do credo, orientação sexual, etnia ou condição social. Somos filhos do mesmo justo e perfeito Pai e, este Pai, não abandona qualquer de seus filhos.

Sendo assim, pode existir de nossa parte a preocupação em acertar nas escolhas da vida – e são muitas –; quais caminhos vamos trilhar de modo a tentar viver conforme os princípios divinos, tentando garantir assim a nossa escolha.

Contudo, sabemos que, no momento atual, não é fácil viver integralmente sob as diretrizes celestiais, pois temos fortes tendências à: variados vícios, condutas indecorosas, comportamentos egoístas, e, ao vivenciarmos mais uma vez estas inclinações natas construídas no passado, acabamos por gerar novamente prejuízo ao próximo e, também para nós mesmos, nos distanciando da condição de vencedores do mundo, ou melhor, de nós mesmos.

Entretanto, ao nos reconhecermos em falta com Deus, nada de desespero absurdo, pois Ele vai considerar todos os nossos esforços em acertar. Ele não vai nos encaminhar para locais de sofrimento eterno, como alguns creem, com absoluta certeza não!

Ele nos ofertará novas oportunidades de aprendizado, tantas quantas forem necessárias até a assimilação correta de todas as lições proporcionadas pela vida.

Mas, como a bondade eterna, com as suas leis imutáveis, promove a recuperação de seus filhos “pecadores”, se assim podemos expressar, os assim chamados não escolhidos? Através das reencarnações, permitindo que aqui voltemos para terminar o que não conseguimos realizar na atual etapa de aprendizado e, igualmente, para retificar os possíveis enganos cometidos em existências anteriores, com suas correspondentes dolorosas consequências.

Há ainda outro importantíssimo aspecto a considerar-se.

De fato, não há uma escolha formal dentre os chamados “mortos” por algum anjo, ou quem sabe pelo próprio Jesus, muito menos por Deus. O que acontece é um encaminhamento dos recém-desencarnados, conforme a lei de sintonia ou afinidade, aos locais apropriados ao estágio evolutivo de cada qual. A separação ocorre naturalmente, de acordo com as características morais de cada um. Estas os direcionam para cidades espirituais avançadas ou não, para a própria residência, ao local de trabalho, muitos permanecem vagando pelas ruas de seu bairro, ou seja, ninguém vai separar os Espíritos do lado de lá para um Céu ou um Inferno, ambos fisicamente inexistentes.

A vida continua a se desenrolar de forma normal, só que agora os Espíritos já não podem mais atuar materialmente no planeta, interagindo de forma natural, com os familiares e conhecidos, como faziam antes de morrer.

É só uma mudança de lado. Não há guichê, muito menos alfandega para direcionar os Espíritos para este, e não para aquele outro local, o que construirmos de bom por aqui, será como uma carta de apresentação no além.

Para concluirmos, mesmo não sendo “escolhidos”, jamais seremos abandonados, pois Deus não deseja a punição do pecador, mas, antes, a sua salvação, e para tanto ofertará outras oportunidades de evolução não deserdando ninguém, em razão de sermos todos filhos diletos do mesmo Pai.

Afinal, já foi dito há dois mil anos: nenhuma ovelha do Pai se perderá.

Rogério Miguez

 

Nota do editor:
Imagem ilustrativa e em destaque disponível em <http://vidacrista.org.br/o-bom-pastor-e-as-ovelhas/>. Acesso em: 14FEV2021.

Rogério Miguez
Rogério Miguez

Trabalhador da Doutrina Espírita desde a Mocidade, tendo atuado no estado de Rio de Janeiro em algumas Casas e, atualmente, em São José dos Campos/SP nos Centros Amor e Caridade, Jacob e Divino Mestre. Colabora em Cursos, Exposições, Atendimento Fraterno e Passes, sendo articulista dos periódicos Reformador e Revista Internacional de Espiritismo.

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue seu evento conosco.
É rápido, fácil e totalmente gratuito!

+ Clique e saiba como