Página InicialDestaquesPor que é tão difícil recordar e interpretar sonhos?

108 visualizações

Por que é tão difícil recordar e interpretar sonhos?

abril 23, 2021

Os Espíritos quando encarnados anseiam por voltar ao plano espiritual; visto ser a vida na Terra, apenas uma pequena e provisória etapa de aprendizado. A existência continua no espaço, cenário da vida definitiva.

Esta tentativa de “fuga” do corpo físico recebeu a denominação de Emancipação da Alma pelo Codificador da Doutrina.

Diariamente vivenciamos esta “fuga”, porquanto, sempre à noite ao adormecer, nos emancipamos, deixamos parcial e provisoriamente o corpo carnal e nos lançamos ao espaço.

Ao voltar ao corpo, pois emancipados permanecemos sempre ligados ao mesmo pelo perispírito, via cordão de prata, uma extensão deste, guardamos reminiscências desta movimentação no plano etéreo, lembranças estas denominadas sonhos.

Cabe a pergunta: se é fato, por qual motivo não lembramos de tudo, detalhe por detalhe, afinal, em algumas horas de sono devemos ter realizado muitas coisas; encontramos com muitos outros Espíritos; podemos ter ido a outras cidades, países e mundos…

Tecnicamente falando, explica-se este fenômeno do esquecimento devido às impressões vividas no espaço terem sido recebidas diretamente pelo Espírito, via perispírito. Quando retornamos, o cérebro material não consegue traduzir o vasto material colhido; há uma questão de vibrações, frequências, quando emancipados são mais altas. Acordados, há um rebaixamento natural da frequência devido ao corpo material impedindo uma boa transmissão das lembranças do período diário no qual estivemos embalados por Morfeu, o deus grego dos sonhos.

Ajuizamos que seria oportuna a recordação integral dos sonhos, mas não é bem assim. Os sonhos, mesmo apenas em fragmentos, entre muitos benefícios, servem para nos advertir ou avisar, os chamados sonhos premonitórios, sobre acontecimentos futuros, deixando reminiscências em nossa mente, de modo a nos fazer refletir sobre como estamos vivendo ou mesmo sobre situações diversas envolvendo familiares, ou amigos, permitindo desta forma a tomada de decisões conscientemente ou mesmo nos prepararmos para este futuro. Se Deus permitisse a recordação de tudo, fosse a lembrança cristalina e objetiva, não haveria razão no uso do livre arbítrio em vigília, nos tiraria os méritos da decisão e ação.

Há outras razões para este esquecimento. Estas tornam dificílimo na maioria dos casos, ou mesmo impossível decifrar o significado dos sonhos:

(1) Nossas preocupações cotidianas quando despertos (trabalho, família, contas a pagar…), não desaparecem quando dormimos, impregnando-se e misturando-se às nossas lembranças ao acordar em função direta da intensidade com que lidamos com elas em vigília.
(2) A alimentação pesada e substancial muito próxima ao horário do sono obriga o corpo a trabalhar promovendo a digestão dos alimentos em um momento destinado ao descanso. Esta atividade extra influencia o sono contribuindo no embaralhamento das lembranças.
(3) Independente do momento do dia, somos acompanhados por Espíritos desencarnados, amigos ou desafetos, os primeiros conhecidos por protetores, guias espirituais, familiares ou simpáticos, os últimos popularmente conhecidos por obsessores, embora nem sempre o sejam. Estas entidades acabam também por se misturar em nossas atividades noturnas dificultando a recuperação dos fatos vividos. Há mesmo aquelas nos perturbando intencionalmente durante o sono, criando imagens absurdas, sugerindo ideias pouco edificantes, misturando-se às nossas reais movimentações no espaço.
(4) Quando emancipados, podemos: atender a palestras e cursos, encontrar entidades comprometidas conosco de passado em atos irregulares, rever familiares e conhecidos encarnados ou desencarnados, criando diversas impressões. Ao acordar, geram um verdadeiro turbilhão de reminiscências.
(5) A emancipação permite um acesso mais fácil às nossas vidas passadas, registradas no perispírito. Imaginemos a quantidade de informações e experiências armazenadas, em função das inúmeras existências. E mais, podemos igualmente despertar antigas impressões da vida presente provisoriamente abafadas por razões diversas.
(6) Não é raro, quando possível em função de nossa atmosfera psíquica, que o Espírito protetor nos encontre e relembre promessas e antigos compromissos, além disso, podem ser fornecidas informações para o futuro.
(7) Se antes de dormir, assistimos nas televisões, filmes violentos e inadequados, as imagens e cenas mais marcantes também podem se misturar aos sonhos, acrescentando mais uma componente de confusão.
(8) O sentimento de culpa por desvios cometidos, muitos não registrados pela justiça humana, são também poderosos elementos complicadores, pois geram apreensão sobre o que vai acontecer do lado de lá, e o sono nada mais é do que um prelúdio diário da morte.
(9) O uso de alcoólicos ou drogas alucinógenas, causam também efeitos perturbadores.

Agora, juntemos a questão da frequência e todas estas possibilidades mencionadas, coloquemos simbolicamente em uma “panela” mechamos bem e perguntemos: Qual aspecto e gosto terá esta “sopa”?

Este caldo se traduzirá de ordinário como um quadro absurdo, com personagens estranhas, conhecidas e desconhecidas, reminiscências de conversas, palavras soltas, pedaços de frases, cenas truncadas e surreais, jamais sequer imaginadas em estado de vigília e nesta hora então, tentemos decifrá-lo!?

Todavia, se assim acontecesse sempre, os sonhos seriam totalmente inúteis, mas não é o caso.

Tomemos como exemplo um sonho relatado por Isabel de Aragão, a rainha médium, no livro homônimo editado pela Casa Editora O Clarim (1).

Nos capítulos IV e V foi descrito um ardil do pai de Isabel, Pedro, para assassinar o seu irmão Jaime, também herdeiro dos bens do rei morto Jaime I de Aragão, avô de Isabel. O plano era matá-lo durante uma caçada simulando assim um acidente. A criança médium Isabel, em uma noite, adormecida e emancipada, sonha com esta caçada, e observa quando seu pai Pedro lança o seu falcão para atacar um pombo, contudo, repentinamente o falcão muda de direção e ataca seu tio Jaime, arrancando-lhe o coração em um só golpe. O intenso ataque provocou a morte imediata do tio, entretanto, para surpresa de Isabel, seu pai, juntamente com os seus homens riam-se do acorrido, enquanto o falcão se alimentava do coração do querido tio: Não é um sonho totalmente inverossímil?

No outro dia, assustada, relata o sonho a sua mãe; esta perplexa escuta o relato, ajuizando ter sido descoberta a infame trama, por algum motivo superior, o ardil havia sido revelado à Isabel por intermédio de um sonho. Apreensiva, conversa com o esposo, contudo, decidem ainda ir em frente, apesar do sonho premonitório de Isabel. Ao final, o tio de Isabel foi salvo por Jaime I, quando este desencarnado aparece em frente do cavalo montado pelo tio, durante uma caçada, no exato momento do disparo de um dardo mortal por um arqueiro escondido, a mando de Pedro. O cavalo empinou, o tio caiu e se salvou.

Não é um exemplo perfeito da utilidade do sonho, embora os pais de Isabel não tivessem acolhido o aviso, e, simultaneamente da sua impossibilidade de entendimento por parte de quem sonhou, ou seja, da pequena Isabel?

Há uma providência simples, possivelmente a mais eficaz, um ingrediente poderoso a ser adicionado à panela, tornando a sopa mais apetitosa: esta atitude é a prece!

Sim, a oração ao dormir, dita com fervor e emanada verdadeiramente do coração, é elemento pacificador da alma, pode muito nos tranquilizar, proporcionando uma boa noite de sono, impedindo, por exemplo, o assédio das entidades perturbadoras.

Como sugestão final, não nos preocupemos em demasia com os sonhos, pois muitas das imagens e impressões são mero reflexo das nossas variadas preocupações de vigília. Quando o sonho é importante, guardam-se reminiscências deste, e estas afloram na hora adequada, indicando-nos como agir e fazer naquele particular momento. Nisto reside a sabedoria divina.

Rogério Miguez

Referências Bibliográficas:
(1) TURINI, Valter. Isabel de Aragão, a rainha médium. Pelo Espírito Monsenhor Eusébio Sintra. 2. ed. Matão: Casa Editora O Clarim, 2013.

Nota do editor:
Imagem ilustrativa e em destaque disponível em <https://pixabay.com/pt/photos/dormir-crian%C3%A7a-cochilando-menina-1311784/>. Acesso em: 23ABR21.

Rogério Miguez
Rogério Miguez

Trabalhador da Doutrina Espírita desde a Mocidade, tendo atuado no estado de Rio de Janeiro em algumas Casas e, atualmente, em São José dos Campos/SP nos Centros Amor e Caridade, Jacob e Divino Mestre. Colabora em Cursos, Exposições, Atendimento Fraterno e Passes, sendo articulista dos periódicos Reformador e Revista Internacional de Espiritismo.

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue seu evento conosco.
É rápido, fácil e totalmente gratuito!

+ Clique e saiba como