Página InicialTextos EspíritasO abendiçoado esquecimento das vidas passadas

48 visualizações

O abendiçoado esquecimento das vidas passadas

abril 18, 2022

Não nos dando orgulho o nosso passado, melhor é lançar sobre ele um véu

“(…) Não pode o homem, nem deve, saber tudo…
 Esquecido de seu passado ele é mais senhor de si”.
– Allan Kardec (1)

Segundo Allan Kardec (2), “(…) é providencial o esquecimento das existências anteriores, sobretudo quando foram amarguradas, visto que a lembrança delas agravaria as infelicidades atuais. Tudo o que Deus faz é perfeito!  Não nos cabe criticar-Lhe as obras e tampouco ensinar-Lhe como deveria ter regulado o Universo…Gravíssimos inconvenientes teria o nos lembrarmos de nossas individualidades anteriores”.

Explica ainda o ínclito Mestre Lionês (3): “(…) O Espírito goza sempre do livre-arbítrio. Em virtude dessa liberdade é que escolhe, quando desencarnado, as provas da vida corporal e que, quando encarnado, decide fazer ou não uma coisa e procede à escolha entre o bem e o mal. Negar ao homem o livre-arbítrio fora reduzi-lo à condição de máquina.

Mergulhado na vida corpórea, perde o Espírito, momentaneamente, a lembrança de suas existências anteriores, como se um véu as cobrisse. Todavia, conserva algumas vezes vaga consciência dessas vidas, que, mesmo em certas circunstâncias, lhe podem ser reveladas. Esta revelação, porém, só os Espíritos superiores espontaneamente lha fazem, com um fim útil, nunca para satisfazer a vã curiosidade.

(…) O homem não conhece os atos que praticou em suas existências pretéritas, mas pode sempre saber qual o gênero das faltas de que se tornou culpado e qual o cunho predominante do seu caráter. Bastará então julgar do que foi, não pelo que é, sim, pelas suas tendências. As vicissitudes da vida corpórea constituem expiação das faltas do passado e, simultaneamente, provas com relação ao futuro. Depuram-nos e elevam-nos, se as suportamos resignados e sem murmurar”.

Aprendemos com Léon Denis (4), nobre conterrâneo e discípulo fiel de Kardec, que existem não só causas físicas ocultando nosso passado, mas também ponderáveis justificativas de ordem moral. É mesmo indispensável ao nosso adiantamento que as vidas pregressas se nos apaguem momentaneamente da memória.

Ainda segundo o conspícuo e singular autodidata Denis (3), “(…) a persistência das recordações acarretaria a manutenção das ideias errôneas, dos preconceitos de casta, tem­po e meio, numa palavra, de toda uma herança mental, de um conjunto de vistas e coisas que nos custaria tanto mais a modificar, a transformar, quanto mais vivo esti­vesse em nós.  Deparar-se-iam assim muitos obstáculos à nossa educação, aos nossos progressos; nossa capacidade de julgar achar-se-ia muitas vezes adulterada desde o ber­ço. O esquecimento, ao contrário, permitindo-nos apro­veitar mais amplamente dos estados diferentes que uma nova vida nos proporciona, ajuda-nos a reconstruir nossa personalidade num plano melhor; nossas faculdades e nossa experiência aumentam em extensão e profundidade.

Outra consideração, mais grave ainda: o conhecimento de um passado corrupto, conspurcado, como deve suceder com o de muitos de nós, seria um fardo pesado. Só uma vontade de rija têmpera pode ver, sem vertigem, desenrolar-se uma longa série de faltas, de desfalecimentos, de atos vergonhosos, de crimes, talvez, para pesar-lhes as consequências e resignar-se a passar por elas. A maior parte dos homens atuais é incapaz de tal esforço. A recordação das vidas anteriores só pode ser proveitosa ao Espírito bastante evolvido, bastante senhor de si para suportar-lhe o peso sem fraquejar, com suficiente desapego das coisas humanas para contemplar com serenidade o espetáculo de sua história, reviver as dores que  padeceu, as injustiças que sofreu, as traições dos que amou.  É privilégio doloroso conhecer o passado dis­sipado, passado de sangue e lágrimas, e é também causa de torturas morais, de íntimas lacerações.

As visões que se lhe vinculam, seriam, na maioria dos casos, fonte de cruéis inquietações para a alma fraca pre­sa nas garras do seu destino.  Se as nossas vidas precedentes foram felizes, a comparação entre as alegrias que nos da­vam e as amarguras do presente tornaria estas últimas insuportáveis.  Foram culpadas?  A expectativa perpétua dos males que elas implicam paralisaria a nossa ação, tor­naria estéril nossa existência. A persistência dos remor­sos e a morosidade da nossa evolução far-nos-iam acreditar, que a perfeição é irrealizável!

Quantas coisas, que são outros tantos obstáculos à nossa paz interna, outros tantos estorvos para nossa li­berdade, não quiséramos desfazer da nossa vida atual. Que seria, pois, se a perspectiva dos séculos percorridos se desenrolasse sem cessar, com todos os pormenores, diante da nossa vista?!  O que importa é trazer consigo os frutos úteis do passado, isto é, as capacidades adquiridas é esse o instrumento de trabalho, o meio de ação do Espírito.  O que constitui o caráter é também o conjunto das qualidades e dos defeitos, dos gostos e das aspirações, tudo o que transborda da consciência profunda para a consciência normal.

O conhecimento integral das vidas passadas apresentaria inconvenientes formidáveis, não só para o indivíduo, mas também para a coletividade; introduziria na via social elementos de discórdia, fermentos de ódio que agravariam a situação da humanidade e obstariam a todo progresso moral. Todos os criminosos da História, reencarnados para expiar, seriam desmascarados; as ver­gonhas, as traições, as perfídias, as iniquidades de todos os séculos seriam de novo assoalhadas à nossa vista. O passado acusador, conhecido de todos, tornaria a ser causa de profunda divisão e de vivos sofrimentos.

O homem, que vem a este mundo para agir, desen­volver as suas faculdades, conquistar novos méritos, deve olhar para frente e não para trás. Diante dele abre-se, cheio de esperanças e promessas, o futuro; a Lei Suprema ordena-lhe que avance resolutamente e, para tornar-lhe a marcha mais fácil, para livrá-lo de todas as prisões, de todo peso, estende um véu sobre o seu passado.

Assim, agrade­çamos à Providência Infinita que, aliviando-nos da carga esmagadora das recordações, nos tornou mais cômoda a ascensão e menos amarga a reparação”.

Rogério Coelho

Referências:
(1) KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. 88.ed. Rio [de Janeiro]: FEB, 2006, q. 392.d.
(2) KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. 88.ed. Rio [de Janeiro]: FEB, 2006, q. 394. (nota).
(3) KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. 88.ed. Rio [de Janeiro]: FEB, 2006, q. 399. (nota).
(4) DENIS, Léon. O problema do ser do destino e da dor. Rio [de Janeiro]: FEB, 2008, p. 319-321.

Nota do editor:
Imagem ilustrativa e em destaque disponível em <https://tvmundomaior.com.br/esquecimento-do-passado-o-evangelho-segundo-o-espiritismo/>. Acesso em: 17ABR2022.

Rogério Coelho
Rogério Coelho

Rogério Coelho nasceu na cidade de Manhuaçu, Zona da Mata do Estado de Minas Gerais onde reside atualmente. Filho de Custódio de Souza Coelho e Angelina Coelho. Formado em Jornalismo pela Faculdade de Minas da cidade de Muriaé – MG, é funcionário aposentado do Banco do Brasil. Converteu-se ao Espiritismo em outubro de 1978, marcando, desde então, sua presença em vários periódicos espíritas. Já realizou seminários e conferências em várias cidades brasileiras. Participou do Congresso Espírita Mundial em Portugal com a tese: “III Milênio, Finalmente a Fronteira”, e no II Congresso Espírita Espanhol em Madrid, com o trabalho: “Materialistas e Incrédulos, como Abordá-los?” Participou da fundação de várias casas Espíritas na Zona da Mata Mineira.

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue seu evento conosco.
É rápido, fácil e totalmente gratuito!

+ Clique e saiba como