242 visualizações

Aflitos, mas não desesperados!

junho 24, 2023

“Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados.”
Paulo- 2 Coríntios, 4:7.

Crescem as aflições no caminho dos indivíduos encarnados no presente momento de testemunhos da sociedade humana, impondo sérios desafios para um reto procedimento de cada criatura em seu processo evolutivo.

Causadoras de dores e sofrimentos quase nunca são entendidas como lições a serem aprendidas e benditos ensinamentos para o enfrentamento de novas experiências que certamente ainda estão por vir. Por essa razão, perdemos as sagradas ocasiões redentoras para nos reeducarmos, visto terem elas por finalidade proporcionar crescimento moral e espiritual a quem souber aproveitá-las a seu benefício.

Nossas aflições destinam-se essencialmente ao nosso reajustamento perante as sábias Leis Divinas que tantas vezes desrespeitamos. São expiações ou provas que teremos que suportar, para a limpeza do nosso nome no SPC divino, ou seja, a quitação dos nossos débitos perante a Justiça Maior. Não foi por outro motivo que Jesus nos assegurou: “Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados” (Mateus, 5:4)

‘Todos estamos fadados à felicidade, à perfeição.

O caminho a percorrer é longo às vezes assinalado pela urze ou entulhado pelos calhaus.

Todavia, o roteiro é igual para todos, porque ninguém existe que seja considerado como exceção.

Aqueles que encontram menos dificuldades, fazem jus às circunstâncias, em razão do seu comportamento em reencarnações passadas.

Os mais atribulados, da mesma forma, procedem dos seus atos infelizes.

Desse modo, ganha a distância evolutiva, passo a passo, e alegra-te com o destino feliz que te aguarda e que alcançarás.” (Divaldo Franco, pelo Espírito Joanna de Ângelis, livro Vida Feliz, cap. CLXI).

Urge, portanto, meus irmãos e amigos, trabalharmos decididamente na reforma íntima indispensável que teremos que realizar cedo ou tarde. Comecemos por vigiar os nossos pensamentos, não nos ocupando com vulgaridades, preenchendo nosso tempo com ideias edificantes e trabalho no bem.

É no pensamento que elaboramos nossos planos de ação, a mente ociosa fomenta imagens infelizes, que vão gerar ações equivocadas e comprometedoras de elevado poder destrutivo comprometendo sobremaneira nosso crescimento moral e espiritual.

“Estejamos atentos, e operosos, seguindo à risca a orientação de Jesus quando nos solicita amorosamente: “Olhai, vigiai e orai, porque não sabeis quando chegará o tempo.” (Marcos, 13:33).

Francisco Rebouças

Francisco Rebouças
Francisco Rebouças

Pós-Graduado em Administração de Recursos Humanos, Professor, Escritor, Articulista de diversos veículos de divulgação espírita no Brasil, Expositor Espírita, criador do programa: "O Espiritismo Ensina".

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue o cartaz do seu evento espírita.

Clique aqui