155 visualizações

O outro

julho 28, 2021

Estamos passando por uma fase no planeta em que somos “obrigados” a vivenciar na prática o que Jesus nos sugeriu como o mais importante dos mandamentos, ‘Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo’.

As pessoas tiveram que isolar-se, usar máscaras, higienizar-se com álcool ou água e sabão para não se contaminarem nem contaminar o outro. Tornou-se um dever de cidadão.

Os países ricos que adquiriram grande parte das vacinas somente para si são obrigados agora a olhar para os que não as têm, pois esses estão lhes contaminando com uma transmutação mais danosa do Sars-Covid 19. Pensar nos nossos irmãos mais pobres não foi por amor, agora está sendo pela dor.

Esses países que só pensaram em seus interesses acabaram criando um duelo por vacinas, o que é lamentável, já que a união seria um fator que geraria força para vencer o vírus.

Está em O Evangelho Segundo o Espiritismo, no capítulo 17, item 9, o seguinte: “Todo aquele que recebe a autoridade, seja qual for o tamanho dessa autoridade, desde um patrão para com o seu empregado até o soberano para com o seu povo, não poderá esquecer que é um encarregado de almas e que responderá pela boa ou má orientação que der aos seus subordinados. … Assim como Deus pergunta aos ricos: ‘O que fizeram da riqueza que, em suas mãos, deveria ser um a fonte espalhando fecundidade ao redor de todos?, também perguntará para aqueles que receberam alguma autoridade: ‘O que fizeram da autoridade que lhes foi concedida? Que mal impediram? Que progresso promoveram?”

Esta transição planetária pela qual passamos, não poderia ser o momento mais adequado para que Jesus nos fizesse compreender que não conseguimos sermos pessoas melhores, progredir espiritualmente e materialmente sem o outro.

O outro é a oportunidade nossa de percebermo-nos mais caridosos, benevolentes, tolerantes e generosos.

Ao interagirmos com os outros poderemos percebermo-nos egoístas, intolerantes, julgadores, agressivos, impacientes, prepotentes e ambiciosos. Assim, eles são a nossa grande fonte de autoconhecimento para a nossa renovação íntima.

O problema é vencermos o orgulho, a negação pelo o medo de descobrir-se, ou o que for a causa,  e admitirmos que temos alguma falha. Ao vencermos essas barreiras, resta-nos a ação resultante da força da vontade de mudar e ainda temos a receita que Emmanuel sugeriu a Chico Xavier: disciplina, disciplina e disciplina.

Na época de colégio, ao errarmos um exercício de matemática, por exemplo, apagávamos tudo e refazíamos tantas vezes quanta fossem necessárias até acertarmos, o que nos dava aquela sensação de dever cumprido. Se não tivéssemos a perseverança, a lição do exercício estaria perdida. A nossa evolução é assim também.

Nessa mesma obra citada acima e capítulo,  no item O Dever, ditada pelo Espírito Lázaro, nos ensina que  o dever cumprido no sentido do bem ao próximo, nos engrandece, pois quem cumpre o dever ditado pela ética, está amando a Deus sobre todas as coisas. Vejam que importante isso. Quando cumprimos os nossos deveres que vêm de nossa alma, de nossa consciência, estaremos escutando a Deus, que está lá dentro de nós, e isso é amá-Lo. Jesus nos pediu isso.

Todos nós sabemos que somos seres sociais, ou seja, o outro é muito importante em nossas vidas, até mesmo para os animais.

Tínhamos um gatinho só e ele não se reconhecia ao olhar-se no espelho, mas achávamos que era uma questão do nível de inteligência da espécie. Mas ele desencarnou e pegamos dois irmãozinhos idênticos. Quando eles se olham no espelho, eles ficam nervosos tentando ir para onde a imagem está, e dão sinal que reconheceram o outro. Eles são mais ativos e alertas e procuram-se.

Nossa caminhada de aprendizado é longa, mas é muito agradável saber que não estaremos só nunca, temos outros ao nosso redor. E mesmo que não tivermos ninguém encarnado nos apoiando, hoje, graças a Doutrina Espírita, sabemos e sentimos que temos Espíritos bons nos dando todo o suporte. Somos muito afortunados, obrigada Deus, obrigada Jesus.

Maria Lúcia Garbini Gonçalves

Nota do editor:
Imagem ilustrativa e em destaque disponível em <https://www.ibccoaching.com.br/portal/comportamento/10-dicas-para-voce-que-quer-praticar-a-solidariedade/>. Acesso em: 28JUL2021.

Maria Lúcia Garbini Gonçalves
Maria Lúcia Garbini Gonçalves

Tradutora, mora em Porto Alegre/RS, estudante da Doutrina Espírita, trabalha no Grupo Espírita Francisco Xavier como médium.

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue seu evento conosco.
É rápido, fácil e totalmente gratuito!

+ Clique e saiba como