Página InicialTextos EspíritasEscândalos: silêncio ou ampla exposição pública?

26 visualizações

Escândalos: silêncio ou ampla exposição pública?

novembro 21, 2021

Após a recente denúncia midiática feita por Pedro Bial em seu programa na Rede Globo contra o suposto médium de cura, João de Deus, pululam nas redes sociais mensagens e comentários de pessoas e instituições que se dizem indignadas pelo fato de que muitos órgãos de comunicação estejam relacionando a palavra espírita ou Espiritismo ao tratarem do caso. Tal indignação ampara-se no fato de que João de Deus não poderia ser considerado espírita, uma vez que adota conceitos e práticas estranhas ao Espiritismo, contrariando os valores doutrinários. As manifestações afirmam, basicamente, que qualquer associação do acusado ao Espiritismo é indevida e afronta a imagem dessa doutrina.

João de Deus promove há décadas serviços supostamente mediúnicos e com fama internacional. Por que será que não houve manifestações massivas daqueles que hoje estão indignados quando o programa Profissão Repórter, da mesma Rede Globo, apresentado em 2015, foi inteiramente dedicado às atividades desse médium e mencionou diversos termos e conceitos típicos do Espiritismo?

Toda a reportagem pode ser assistida no seguinte link:
http://redeglobo.globo.com/tvanhanguera/noticia/2015/04/profissao-reportermostrou-trabalho-do-medium-joao-de-deus.html

Para muitos daqueles que justificam a ampla divulgação pública da classificação de não-espírita de João de Deus para não se sentirem constrangidos ou envergonhados, pode-se supor que o silêncio tenha sido a opção quando o acusado de assédio seja um dirigente de uma instituição reconhecida como espírita. Assim ocorreu quando o médium Maury Rodrigues da Cruz, diretor presidente da Sociedade Brasileira de Estudos Espíritas (SBEE), em Curitiba/PR, foi acusado de assédio sexual durante a assistência mediúnica, conforme o seguinte link:

https://g1.globo.com/pr/parana/noticia/2018/08/15/medium-presidente-desociedade-espirita-vira-reu-por-estelionato-e-violacao-sexual.ghtml

Talvez, muitos dos que estão hoje alardeando aos quatro cantos que João de Deus não é espírita, sejam os mesmos que optaram pelo silêncio caridoso no caso de Maury Rodrigues da Cruz.

O que dizer, ainda, de palestrantes e escritores que também não poderiam ser considerados espíritas mas frequentam as tribunas e as prateleiras das livrarias de centros espíritas, muitas vezes distorcendo os princípios e valores doutrinários? Deveriam ser denunciados também para o bem da coerência doutrinária ou somente se estiverem envolvidos em alguma situação vexatória pública?

Conforme encontramos no livro O Evangelho Segundo o Espiritismo, de Allan Kardec, sobre o escândalo em seu sentido vulgar:

“Muitas pessoas se contentam com evitar o escândalo, porque este lhes faria sofrer o orgulho, lhes acarretaria perda de consideração da parte dos homens. Desde que as suas torpezas fiquem ignoradas, é quanto basta para que se lhes conserve em repouso a consciência. (ESE, Cap. VIII, i.12)

Diante de qualquer escândalo, portanto, que possamos refletir se o que queremos é a defesa do próprio orgulho ou, efetivamente, o esclarecimento doutrinário e o incentivo à conduta moral equilibrada.

Marco Milani

Nota do editor:
Imagem ilustrativa e em destaque disponível em <https://pt.vecteezy.com/arte-vetorial/2127662-megafone-com-bolha-discurso-modelo-para-ilustracao-vetor-propaganda>. Acesso em: 21NOV2021.

Marco Milani
Marco Milani

Marco Milani, atualmente, está Diretor de Doutrina da USE/SP, Presidente da USE Regional de Campinas e um dos Coordenadores da Liga de Pesquisadores do Espiritismo, além de Palestrante e Articulista de diversos veículos de comunicação Espírita.

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue seu evento conosco.
É rápido, fácil e totalmente gratuito!

+ Clique e saiba como