309 visualizações

O Espiritismo e a autonomia

janeiro 9, 2023

“Nomos” é uma palavra grega para norma, regra ou lei. Deriva dela a parte “nomia” das palavras anomia, heteronomia e autonomia, sendo anomia a ausência de regras, a heteronomia regra sendo imposta por terceiros e, por fim, a autonomia o regramento sendo do próprio indivíduo.

Em sentido religioso vivemos sempre, há milênios, em um processo de heteronomia, com regras impostas pela religião, fosse ela qual nós professássemos. As regras eram impostas e a justificação para nossas expiações e aflições eram castigos por não cumprirmos os mandamentos daquela igreja e, lá no fim, por conta do nosso bom ou mau comportamento no cumprimento dos mandamentos religiosos seríamos, eternamente, condenados a céu, inferno ou purgatório.

É fácil pensar nas atrocidades cometidas, ao longo da história, em nome destas leis religiosas; para citar as mais famosas, temos as cruzadas que, por séculos, dizimou um número indefinível de vidas e que tem consequências até os dias de hoje na humanidade e, outro exemplo, o tribunal da santa inquisição, também responsável pela morte de pessoas apenas pela natural manifestação de suas faculdades mediúnicas.

Então, em uma religião heteronômica, seus líderes lhe dirão o que fazer ou não fazer e lhe darão a punição ou recompensa na conformidade do seu comportamento. É também, uma maneira muito mais “fácil” de se viver uma vez que não cabe ao seguidor a responsabilidade de ter que tomar decisões por si próprio, bastará obedecer ao que lhe é mandado.

No entanto, na Doutrina Espírita não é assim, não há regras, normas e nem líderes e, por consequência, também não há nem punições muito menos premiações por cumprir ou descumprir qualquer coisa. O Espiritismo nos devolve a autonomia, fomos, somos e seremos sempre responsáveis por nossos atos e comportamentos, livres para pensar e para agir.

Mas, você que lê, há de argumentar que não é bem assim, afinal, existem leis a serem cumpridas na vida em sociedade, e o argumento é válido e real, afinal, em mundinhos de provas e expiações não dá para se viver nem em anomia, nem em total autonomia e, para nos regular, precisamos de um Estado heterônomo e, assim, temos que viver regrados por leis, no caso do Brasil, municipais, estaduais e federais e, em caso de não cumpri-las, seja em âmbito penal ou civil, haverá punições. Para o nosso atual estado de evolução, puro reflexo do nosso padrão moral, isso tudo ainda é muito necessário.

Mas, você e eu somos livres até para descumprir qualquer convenção legal. Neste caso há punição prevista em lei, mas nós sabemos são apenas consequências ou, em uma palavra, mais familiar ao nosso vocabulário doutrinário, efeito de uma causa. No Espiritismo não há lei, logo não há punição, nesta doutrina não há líderes que nos afirmarão o que devemos ou não fazer, aliviando o peso de nossa responsabilidade.

O que esta doutrina nos faz é revelar as Leis Naturais que não foram criadas por ela, mas, existem desde sempre, aqui e no universo todo a regular e harmonizar toda a criação e aí é bem simples, quem consegue, dentro de sua liberdade, viver em harmonia com tais leis, vive bem e tem sua evolução com menos sobressaltos. Já quem, também totalmente autônomo, teima em agir contra a harmonia divina acaba tendo que arcar com a consequência de seus atos, seja pelo efeito causado em si mesmo ou em outrem.

Essas Leis Naturais sim são perfeitas, afinal, elas vêm de Deus, ao contrário das nossas, escritas por homens tão imperfeitos, quanto os que não as cumprem. Nas leis divinas e harmoniosas, até a nossa teimosia em não as cumprir, será automaticamente ajustada nos reflexos dos nossos atos rebeldes, naturalmente, sem julgamentos ou tribunais celestes.

Sempre lembrando que estas leis de Deus estão, todas, gravadas na nossa consciência, logo, aquele discernimento do que é certo ou errado, todos nós a temos.

Escrevendo este texto pensei que talvez o dito do velho apóstolo dos gentios fosse um conselho aos espíritas de hoje: “Tudo me é permitido, mas nem tudo me convém” (Paulo, I Coríntios, 6:12)

André Tarifa

Nota do editor:
Imagem ilustrativa e em destaque disponível em <https://agendaespiritabrasil.com.br/2022/02/02/lei-de-liberdade-livre-pensar/>. Acesso em: 09JAN2023.

André Luis R. Tarifa
André Luis R. Tarifa

Trabalhador espírita desde os 12 anos de idade, eterno aprendiz, tenho um canal no Youtube onde compartilho meu aprendizado e as belezas da poesia. Atualmente desenvolvo os meus trabalhos no Centro Espírita Mansão da Esperança em São Paulo, SP.

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue o cartaz do seu evento espírita.

Clique aqui