Página InicialTextos EspíritasÉ tempo de refletir

59 visualizações

É tempo de refletir

dezembro 5, 2023

Chegamos ao final de mais um ano, período do ano em que muitos compromissos começam a aparecer. É curioso como se avolumam os compromissos sociais nessa época: são festividades escolares, festas na empresa onde trabalhamos, reuniões com amigos e tantos outros encontros que, sequer notamos o tempo passar.

Mas o convite é para refletirmos um pouco sobre esse período do ano e, trazendo o texto “Aparências”, de Emmanuel, na psicografia de Chico Xavier a fim de nos questionar como estamos nos comportando nessa época do ano? Estamos vivendo de aparências ou estamos sendo nós mesmos nesses eventos? Se estamos vivendo a realidade, qual é a nossa realidade a mostrar?

Via de regra vamos a esses eventos mais preocupados em demonstrar as conquistas materiais que realmente obter vitórias espirituais. Normalmente, colocamo-nos preocupados com a qualidade da comida e da bebida, quando na verdade deveríamos estar preocupados com o que sai de nossas bocas nessas reuniões. Enfim, normalmente, nessa época nos esquecemos do que Mateus ensinou no capítulo 6, versículo 21: “porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração”, e preferimos guardar como tesouro as aparências das vitórias materiais do que os tesouros que realmente importam.

Mas tal convite não é para abandonarmos reuniões e festividades, mas sim saber guardar em nosso coração os tesouros que, realmente, importam para nós, ou seja, as virtudes que nos conduzirão à Felicidade Eterna. Vale trazer à lembrança, uma passagem de O Evangelho Segundo o Espiritismo, que faz referência ao comportamento de pessoas em festividades, parecem felizes e satisfeitos, mas trazem em seu íntimo dores e sofrimentos. Assim também é conosco, quando nos colocarmos a frequentar esses ambientes, veremos pessoas felizes, exteriormente, mas doentes em seu íntimo, quando nós mesmos seremos essas pessoas, viveremos de aparências.

Assim, aceite-se como você é, não tente viver a vida do outro, muito menos inveje a vida do outro. A inveja, filha do egoísmo, faz com que busquemos tudo para nós e esqueçamos dos irmãos, esquecendo que cada um de nós tem uma missão própria a desempenhar nessa romagem terrena. Todos somos seres especiais, criações exclusivas do Pai, cada um de nós precisa vivenciar as experiências necessárias para nossa evolução espiritual, vez que esse é o único propósito de nossa encarnação.

Todavia sobre o tema vale o contraponto, pois, no Livro “O Espírito da Verdade”, Ewerton Quadros, pinta um retrato magnífico sobre os exageros, agora não materiais, mas no excesso de comportamentos virtuosos, mas que na verdade acabam por alijar o homem do meio que vive, novamente as aparências. Resumidamente, ele diz que não podemos viver fora do mundo sob a desculpa de evitar os males da sociedade, dizendo-nos que a austeridade exagerada gera ilusões em nós mesmos, pois acreditamos estar no caminho reto, quando, na verdade, perdemo-nos na primeira esquina. Pede-nos prudência nos atos e acima de tudo que não sejamos policiais do Evangelho, mas sim irmãos rumando ao progresso próprio.

Assim é necessário cuidado com o ambiente que frequentamos, ainda mais agora, festas, bares e outros lugares regados às extravagâncias como alimentos, bebidas alcoólicas, drogas, sexo e outras substâncias que podem gerar uma rede de pensamentos negativos que nos aprisionará no mal, fazendo-nos percorrer estradas que até então não imaginávamos ser capaz de pisar.

Vale, portanto, compreender o período do ano e o simbolismo do Natal. Jesus está comungando de sua Ceia natalina ou Ele está à porta pedindo uma simples coxa de frango, enquanto vocês estão se deliciando com comidas e mais comidas, bebidas e tudo o que o dinheiro pode comprar. É tempo de Jesus, é preciso lembrar que ele decidiu se rebaixar à natureza humana para aqui encarnar e mostrar para nós como fazer; decidiu vir aqui para ter conosco essa árdua jornada, entregando Sua Vida para que deixássemos o paganismo, o culto da matéria, e passássemos a cultuar o Amor. 

Então que possamos, no Natal de Jesus, lembrar do Seu Amor, em qualquer lugar que entremos, por necessidade ou não, pensando e exalando o Amor do Nosso Amado Mestre.

Daniel Baenninger

Daniel Baeninger
Daniel Baeninger

Trabalhador do Centro Espírita Luz e Caridade de Limeira/SP.

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue seu evento conosco.
É rápido, fácil e totalmente gratuito!

+ Clique e saiba como