197 visualizações

Meta fatal

março 12, 2023

Muitos indagam o que o futuro nos reserva: Para onde vamos?

Alguns creem que, caso se portem de acordo com os preceitos de sua religião, irão para um local chamado Céu onde nada mais farão a não ser contemplar a Natureza e se sentar ao lado do Pai, isto por toda a eternidade.

Outros, ajuízam que por conta de seu modo de vida distanciado das leis divinas, serão conduzidos a um local chamado Inferno, onde sofrerão as consequências de sua desatenção aos princípios do Criador, igualmente pelos tempos afora.

Os mais descrentes, nem se preocupam com este desfecho, pois o nada os aguardaria, portanto, não se importam se agem no bem ou no mal, afinal o que interessa é viver na máxima intensidade possível as oportunidades surgidas, aproveitando tudo que a vida oferece, sem nenhum freio moral ou ético.

São expectativas bem diversas sugerindo de imediato que alguém está equivocado em relação ao que nos aguarda após a morte, sendo possível que todos estejam distantes da verdade.

À parte outras crenças, a espírita informa que Deus há criado Espíritos desde sempre, e todos, sem exceção, estão destinados a atingir a perfeição relativa – pois a absoluta pertence a Deus -, após incontáveis etapas de aprendizado encarnados em mundos materiais, podendo igualmente progredir durante os períodos em que não estão envergando corpos físicos, conhecido por erraticidade.

É oportuno lembrar, conforme elucida a filosofia espírita, que os Espíritos ao conquistarem a perfeição relativa, são chamados de anjos, ou Espíritos puros.

Diante desta informação alguém poderia perguntar: Alcançada esta meta, o que faremos!?

Para responder esta indagação, observemos, como exemplo, a quarta obra básica da Doutrina espírita, onde temos:

Os puros Espíritos são os messias ou mensageiros de Deus pela transmissão e execução das suas vontades. Preenchem as grandes missões, presidem à formação dos mundos e à harmonia geral do universo, tarefa gloriosa a que se não chega senão pela perfeição. Os da ordem mais elevada são os únicos a possuírem os segredos de Deus, inspirando-se no seu pensamento, de que são diretos representantes.
As atribuições dos Espíritos são proporcionadas ao seu progresso, às luzes que possuem, às suas capacidades, experiência e grau de confiança inspirada ao Senhor soberano. (1)

Como se denota, o esforço que fizemos e faremos para obter a condição de puro Espírito, nos levará a realização de importantes missões, auxiliando Deus na administração do Universo, tarefas estas desempenhadas sob a orientação única e exclusiva do Criador, não há qualquer dúvida, pois nenhum Espírito, mesmo puro, pode agir como bem entende. Sempre atuamos onde é permitido e da forma estabelecida pela Divindade.

É de se notar que é totalmente infundada a expectativa de que vamos evoluir para descansar eternamente em berço esplêndido, visão infantil dos que acreditam que o trabalho é algo ruim para o Espírito. Crendo que o trabalho é algo temporário e ingrato, ajuízam que ao conquistarem um lugar à direita do Pai, como recompensa, jamais trabalharão, desfrutando as delícias da beatitude em conjunto como os outros eleitos.

Ledo engano, pois progredimos para trabalhar mais ainda, contudo, quando estivermos em melhor posição de entendimento das leis eternas, plenamente preparados, veremos o trabalho como uma ocupação natural e nos dará imenso prazer atuar na imensidão do Universo sob a segura tutela do Magnânimo.

E por qual razão afirmamos que esta destinação é fatal?

Devido ao fato de que a Perfeita Sabedoria assim determinou, ou seja, todos os Espíritos criados serão conduzidos, através de seus esforços, mais cedo ou mais tarde, à condição de pureza espiritual. Isto é, não é permitido que as criaturas de Deus adiem em definitivo o atingimento desta meta. Esta prerrogativa não é contemplada pela vontade do Pai, pois Ele deseja que todos os seus filhos alcancem um patamar evolutivo tal que permita a execução de grandiosas missões.

Diante desta realidade, não esperemos melhores condições para, só então, buscarmos a angelitude. Ajamos agora, esta é a hora, pois a angelitude surge apenas com o trabalho e não o inverso.

Rogério Miguez

Referência:
(1) KARDEC, Allan. O Céu e o Inferno. Tradução Manoel Quintão. ed. 61. imp. 1. (Edição Histórica). Brasília: FEB. 2013.1ª parte. cap. 3. item 12.

Nota do editor:
Imagem ilustrativa e em destaque disponível em <https://agendaespiritabrasil.com.br/2018/11/18/os-dois-caminhos/>. Acesso em: 09 de março de 2023.

Rogério Miguez
Rogério Miguez

Trabalhador da Doutrina Espírita desde a Mocidade, tendo atuado no estado de Rio de Janeiro em algumas Casas e, atualmente, em São José dos Campos/SP nos Centros Amor e Caridade, Jacob e Divino Mestre. Colabora em Cursos, Exposições, Atendimento Fraterno e Passes, sendo articulista dos periódicos Reformador e Revista Internacional de Espiritismo.

Deixe aqui seu comentário:

Divulgue o cartaz do seu evento espírita.

Clique aqui